Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Presidente da Total da lição de empresa integrada a Parente

23 Abril Escrito por  Lido 9628 vezes

A direção da Petrobrás estabeleceu em seu Plano Estratégico que a companhia é integrada, mas que pretende sair da petroquímica e da área de fertilizantes, além dos biocombustíveis. Também planeja vender o controle da BR Distribuidora e abrir o capital das refinarias para parcerias. A estatal declara que o seu foco é a Exploração e Produção (E&P). Já o presidente da Total comenta o plano estratégico da sua empresa: integrada, do poço ao posto, passando pela petroquímica.

A direção da Petrobrás estabeleceu em seu Plano Estratégico que a companhia é integrada, mas que pretende sair da petroquímica e da área de fertilizantes, além dos biocombustíveis. Também planeja vender o controle da BR Distribuidora e abrir o capital das refinarias para parcerias. A estatal declara que o seu foco é a Exploração e Produção (E&P).

 

O presidente da Total comenta o  plano estratégico da sua empresa: integrada, do poço ao posto, passando pela petroquímica. Enfim, o que toda grande empresa de petróleo sempre fez, inclusive a Petrobrás, antes de Pedro Parente

 

O presidente da Total diz que estava correto ao não ouvir os "experts" que recomendavam que a Total focasse no upstream (E&P), em detrimento de sua integração.

 

Hoje, a companhia francesa compra no Brasil os ativos estratégicos que a Petrobrás vende a preços depreciados. Leia o artigo:

 

A indústria de óleo e gás não foi poupada de desafios nos últimos dois anos, mas, afinal, na nossa indústria, não é esta a regra do jogo? Gerenciamento de riscos, sendo capaz de mitigá-los e tomar decisões de investimento, no final, não é o nosso pão de cada dia? O que é talvez mais difícil de lidar, no entanto, é a incerteza que tem caracterizado o nosso ambiente no passado recente e pode continuar no futuro. 

 

Gerenciamento de riscos

 

A extrema volatilidade tem caracterizado os mercados internacionais de petróleo há mais de dois anos. Mesmo que os fundamentos de oferta e demanda estejam lentamente se equilibrando, esta volatilidade não vai desaparecer da noite para o dia. 

 

Confrontado com essa volatilidade, nosso trabalho é gerenciar o risco de preço, implacável, diminuindo nossos breakevens, simplesmente para garantir que as nossas empresas  permaneçam rentáveis sob quaisquer circunstâncias. Isto significa implementar uma política sustentável de despesas de capital por meio do ciclo, uma estrutura de custos competitivos, um elevado nível de excelência operacional e, acima de tudo, ser exemplar em matéria de segurança. 

 

Porque a segurança é um pré-requisito, a segurança é mais do que uma prioridade; é um valor fundamental, a pedra angular do sucesso e sustentabilidade em nossos negócios. 

 

"O modelo de negócios integrado da Total tem sido crucial na nossa capacidade para abordar com sucesso a situação actual" 

 

Outra maneira de gerenciar o risco de preço é desenvolver o modelo de negócios adequado – para ser integrado ao longo de toda cadeia de valor de óleo ou gás. 

 

O modelo de negócios integrado da Total, estendendo-se da exploração e produção até a distribuição dos produtos ao cliente final, através da refinação, petroquímica e de negociação, tem sido fundamental na nossa capacidade para abordar com sucesso a situação atual. 

 

Poucos anos atrás, muitos experts ou conselheiros estavam nos empurrando para nos desfazermos de nossos negócios downstream (Abastecimento - refino, transporte e comercialização) e focar apenas no upstream (E&P). Decidimos  então não escutá-los e nos atermos ao nosso modelo. Porque, embora seja verdade que o upstream se aproveita melhor dos preços do petróleo que o downstream, também é verdade que este ajuda a recuperar parte do valor adicionado perdido pelo downstream e pode oferecer menos receita cíclica, que é muito bem-vindos no ciclo de baixa. Isto abrange os riscos que nós sabemos como gerenciar

 

Lidar com a incerteza geopolítica

 

Em todos os lugares que olhamos, o mundo em 2017 é caracterizado por conflitos e incertezas geopolíticas:

 

Conflitos e guerras: basta pensar no Oriente Médio e Norte da África, com guerras na Síria, no Iraque, no Iêmen e na Líbia, mas também da situação na parte oriental da Ucrânia e das tensões no Mar da China Meridional; Para não falar de terrorismo internacional, que deveria ser a prioridade para todos os governos do mundo.

 

Incerteza, com o resultado de eleições recentes ou no futuro: Brexit no Reino Unido e eleições presidenciais nos EUA em novembro passado, e eleições na França e na Alemanha ainda este ano.

 

"A melhor resposta para nossa indústria é permanecer ágil e flexível, adaptar e superar".

 

Diante dessa incerteza, nossas empresas podem escolher entre diferentes tipos de comportamento - elas podem adotar uma atitude de esperar  e congelar quaisquer decisões importantes até um esclarecimento que nunca pode vir; ou elas podem ser mais ousados, por exemplo, continuando a investir na Rússia, apesar das sanções ou por decidir voltar ao Irã logo após o levantamento das sanções. Uma coisa é certa, a melhor resposta para a nossa indústria é permanecer ágil e flexível, para se adaptar e superar.

 

Há um outro ponto importante sobre a agitação geopolítica atual. Penso que, entre essas desordens, nossa indústria pode ser e deve ser um fator de estabilização, um sinal de esperança para as populações desses países: continuando a investir, a fornecer energia, tanto quanto possível, sem, evidentemente, pôr em perigo avida de nossas equipes, ajudamos a manter condições de vida decentes e algum desenvolvimento econômico. Em algumas ocasiões, podemos até mesmo ajudar a restabelecer o diálogo entre os governos, pois é claro que o conflito só pode ser resolvido a nível político e diplomático através do diálogo.

 

Como Isaac Newton disse uma vez, "as pessoas estão construindo muitas paredes e não pontes suficientes". Gosto de acreditar que nossa indústria está do lado dos construtores de pontes.

 

Gerir os riscos e lidar com a incerteza geopolítica: tudo isto será necessário para que a nossa indústria enfrente o nosso duplo desafio nos próximos anos. Vou discutir isso em um futuro artigo.

https://www.linkedin.com/pulse/risk-manageable-uncertainty-patrick-pouyanné

 

 



Fonte: Linkedin
Link: https://www.linkedin.com/pulse/risk-manageable-uncertainty-patrick-pouyanné
Título da imagem:
Créditos:
Legenda:

Última modificação em Terça, 13 Junho 2017 06:34
Avalie este item
(0 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed