Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Alemanha cria fundo para proteger empresas de aquisições estrangeiras

06 Fevereiro Escrito por  Sérgio Aníbal Lido 1428 vezes

Estratégia alemã para a indústria prevê nacionalizações parciais e temporárias para garantir a existência de “campeões nacionais”

que concorram com os EUA e a China.

Numa tentativa de garantir que o país está entre os líderes tecnológicos mundiais e as suas principais empresas não caem em mãos estrangeiras, o governo alemão pretende criar um fundo destinado a assumir, em “circunstâncias excepcionais”, o controlo das empresas.
Mais populares

    i-album
    Vinhos
    O "mais famoso" programa de vinhos do mundo escolhe Portugal para a nova temporada
    Presidente da República
    “Quando ando na rua não peço cadastro criminal, fiscal ou moral aos portugueses”
    i-album
    Fotografia
    Há uma nuvem taliban a pairar sobre o futuro dos jovens afegãos

A medida, que já vinha sendo noticiada há alguns meses faz parte da Estratégia Nacional para a Indústria 2030 proposta oficialmente pelo executivo alemão esta terça-feira e que inclui a adopção de diversas acções por parte do Estado com o objectivo de desenvolver o sector industrial da maior economia europeia, assegurando a sua competitividade tecnológica a nível internacional.

A estratégia define que o Estado, “por um período limitado de tempo”, pode adquirir parte de empresas consideradas fulcrais a nível tecnológico e de inovação, se tal for necessário para impedir que estas passem a ser controladas por accionistas estrangeiros. Para defender a existência destes “campeões nacionais”, o governo liderado por Angela Merkel prevê a criação de um fundo financeiro que estará disponível para ser usado em “casos muito importantes” nestas nacionalizações parciais e temporárias.

Na apresentação do plano, o ministro da Economia alemão assumiu que a aquisição por parte de uma empresa chinesa da empresa de robótica alemã Kuka em 2016 foi uma das razões por trás do plano agora delineado por Berlim. Peter Altmeier defendeu que é necessário que surjam novos “campeões nacionais e europeus” para que seja possível competir a nível tecnológico com a China e com os EUA.

O caso mais imediato em que este novo fundo, se vier a ser criado, pode ser utilizado é o da Siemens, que planeava juntar-se à francesa Alstom para conseguir fazer face à forte concorrência chinesa, mas que deverá ver essa intenção recusada pela Comissão Europeia.

A estratégia agora proposta pelo governo alemão inclui outras medidas, como a alteração das regras da concorrência para facilitar fusões que aumentem a competitividade internacional da empresas ou o aumento dos apoios públicos à inovação.

Numa conjuntura internacional marcada pelo ressurgimento de políticas comerciais proteccionistas e pela guerra aberta entre a China e os EUA pela liderança do sector tecnológico, a Alemanha dá agora um passo para, com uma maior intervenção estatal, assumir um papel mais importante neste conflito. Entre os partidos políticos alemãs, ouviram-se várias as críticas que foram da acusação de criação de uma “economia planificada” por parte do Partido Democrático Liberal até à acusação de dar mais poder às grandes empresas por parte do Partido da Esquerda.

Fonte: Público

Avalie este item
(2 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed