Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Subsídios Globais para Combustíveis Fósseis atingem US $ 5,2 trilhões

13 Maio Escrito por  Nick Cunningham Lido 1443 vezes

O mundo gastou um total de US $ 4,7 trilhões e US $ 5,2 trilhões em subsídios aos combustíveis fósseis em 2015 e 2017

, respectivamente, segundo novo relatório do Fundo Monetário Internacional. Isso significa que, em 2017, o mundo gastou 6,5% do PIB mundial para subsidiar o consumo de combustíveis fósseis.

A China foi "de longe, a maior subsidiaria" em 2015, com US $ 1,4 trilhão, disse o FMI. Os EUA ficaram em segundo lugar, com US $ 649 bilhões. Em outras palavras, os EUA gastaram mais em subsídios aos combustíveis fósseis em 2015 do que no inchado orçamento do Pentágono (US $ 599 bilhões em 2015).

A Rússia gastou US $ 551 bilhões, a UE gastou US $ 289 bilhões e a Índia gastou US $ 209 bilhões. Os mercados emergentes da Ásia responderam por 40% do total, enquanto o mundo industrializado respondeu por 27%, com porcentagens menores encontradas em outras regiões.

O valor do subsídio que o FMI usa incorpora uma variedade de suportes para combustíveis fósseis, incluindo não taxar a poluição do ar local, mudanças climáticas e custos ambientais, bem como subcarga de impostos de consumo e subcarga de custos de fornecimento.

Por combustível, o carvão recebe a maior generosidade, representando 44% do total global. O petróleo ficou logo atrás em 41%, e a produção de gás natural e eletricidade receberam 10% e 4%, respectivamente.

Há uma longa lista de razões pelas quais a redução dos subsídios aos combustíveis fósseis não é apenas uma boa ideia, mas muito necessária. A crise climática está piorando. Pagar pelo alto e, às vezes, desnecessário consumo já esgota os governos, com falta de dinheiro, dos fundos necessários para outras necessidades.

A poluição do ar local também afeta negativamente a saúde humana e, em alguns casos, a níveis muito extremos. “A reforma de preços de energia, portanto, permanece em grande parte no próprio interesse dos países, uma vez que cerca de três quartos dos benefícios são locais”, disse o FMI.

Se os preços dos combustíveis fossem fixados em “níveis totalmente eficientes” em 2015, as emissões globais de CO2 teriam sido 28% menores, as mortes por poluição do ar teriam sido 46% menores e as receitas fiscais teriam crescido 3,8% do PIB mundial. disse.

O problema é que o apoio do governo aos combustíveis fósseis é frequentemente popular. Todo mundo gosta de gás barato ou eletricidade barata. Isso dificulta a retirada de apoio e, em muitos países, politicamente perigoso.

Houve algumas mudanças notáveis nos últimos anos, uma vez que o crash dos preços do petróleo em 2014 tornou o petróleo dramaticamente mais barato, abrindo uma janela para os governos reduzirem os subsídios sem pôr em risco a indignação pública. A pressão para cortar gastos foi particularmente aguda para os exportadores de petróleo, que viram seus orçamentos explodirem quando o petróleo entrou em colapso. Algumas variações no aumento de preços da gasolina, diesel e eletricidade ocorreram no Bahrein, Egito, Kuwait, Omã, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, segundo o FMI. Em particular, a Arábia Saudita elevou os preços da gasolina em 67% no final de 2015.

Outra categoria de cortes de subsídios veio na forma de uma mudança para a precificação baseada no mercado (ou seja, permitindo que os preços subissem), que ocorreu na China, Costa do Marfim, Jordânia, Madagascar, México, Omã e Emirados Árabes Unidos, Índia. Indonésia, Tailândia e Tunísia, disse o FMI.

O problema é que, no entanto, quando os preços globais do petróleo se recuperaram em 2017 e 2018, houve uma rápida mudança para colocar os suportes de preços de volta no lugar, em um esforço para evitar a ira pública. Notadamente, a Indonésia congelou os preços dos combustíveis. No Brasil, em resposta a uma greve dos caminhoneiros em todo o país no ano passado, o governo reduziu os preços dos combustíveis. De fato, apesar da ortodoxia econômica prometida pelo novo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ele insiste em controlar os preços. Experiências semelhantes ocorreram em um punhado de outros países.

A pressão para fixar preços ou subsidiar o combustível de alguma forma foi agravada pelo fato de que o Federal Reserve aumentou as taxas de juros várias vezes nos últimos dois anos, fortalecendo o dólar e, assim, pressionando as moedas dos mercados emergentes. Como o preço do petróleo é precificado em dólares, as moedas mais fracas encontram o petróleo muito mais caro, o que alimentou frustrações para milhões de pessoas.

O Fed fez uma reviravolta no início deste ano, quando parecia que a economia global estava desacelerando, arquivando planos para mais aumentos de juros. Isso tirou uma certa pressão da moeda dos mercados emergentes por um período de tempo, embora o dólar ainda tenha se fortalecido um pouco em 2019.

O FMI pediu aos governos em todo o mundo que reduzissem os subsídios aos combustíveis fósseis, embora também admitisse que a remoção do apoio aos preços é extremamente difícil e, portanto, deve continuar.

Original: https://oilprice.com/Energy/Energy-General/Global-Fossil-Fuel-Subsidies-Hit-52-Trillion.html

Avalie este item
(2 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed