Siga a AEPET
logotipo_aepet

Sanções contra o Irã estão prejudicando o dólar

As pesadas sanções contra o Irã demonstraram o longo alcance do Tesouro dos EUA,

Publicado em 19/09/2018
Compartilhe:

forçando grande parte do mundo a cair na linha e cortar as importações de petróleo do Irã, apesar do amplo desacordo sobre a política. No entanto, estamos apenas nos primeiros capítulos do que pode ser uma longa história que termina com a erosão do poder do dólar americano.

O papel do dólar no sistema financeiro internacional é a razão pela qual os EUA podem impedir que grande parte do mundo compre petróleo do Irã. O petróleo é negociado em dólares, e muito do comércio internacional é baseado em dólares. Na verdade, até 88% de todos os negócios de câmbio envolvem o dólar.

Além disso, as empresas multinacionais têm inevitavelmente alguns laços comerciais com os EUA, portanto, quando se deparam com a escolha de negócios com o Irã ou perdem o acesso ao sistema financeiro dos EUA e ao mercado americano, a escolha é fácil.

Isso significa que, mesmo que os governos europeus, por exemplo, apoiem a importação de petróleo do Irã, o domínio do sistema financeiro baseado nos EUA os deixa com muito poucas ferramentas para fazê-lo. Os políticos europeus se esforçaram para tentar manter um relacionamento com o Irã e tentaram convencer o país a manter os termos do acordo nuclear de 2015 - e o Irã ainda está cumprindo -, mas isso não significa que os refinadores europeus, que são empresas privadas, correrão o risco de ser atingidos por sanções dos EUA, continuando a importar petróleo do Irã. Na verdade, eles começaram a cortar drasticamente as compras de petróleo do Irã meses atrás.

O dólar é supremo, parece.

Mas isso não é o fim da história. De várias maneiras, a administração Trump está contribuindo para uma crescente ameaça ao dólar, mesmo que isso seja difícil de ver agora. Afinal, o dólar se fortaleceu este ano, o PIB dos EUA cresceu mais rápido que outras economias industrializadas e o mundo teve que aderir às sanções dos Estados Unidos em uma lista crescente de países e entidades, sendo os mais notáveis Rússia, Irã e Venezuela. 

No entanto, a política externa da “América primeiro”, as guerras comerciais e a natureza aparentemente arbitrária das tarifas, a tensão transatlântica e outras rivalidades geopolíticas são fatores que poderiam tirar o dólar de seu poleiro.

Mas é o uso extensivo de sanções que se destaca como o fator mais importante que pode minar o domínio do dólar, dizem alguns especialistas. Isso é especialmente verdade no caso do Irã. "No caso do Irã, os Estados Unidos estão usando as sanções como uma ferramenta de governo", disse Kelsey Davenport, analista da Associação de Controle de Armas, ao Washington Post em agosto. "Os Estados Unidos colocaram muitos Estados numa sinuca de bico".

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse há alguns dias que o euro deve ser elevado como uma moeda de reserva, a fim de quebrar a dependência europeia em relação ao dólar dos EUA. Juncker observou que a UE paga 80 por cento de suas importações de energia em dólares, embora apenas 2 por cento das importações provenham dos EUA. "Não há lógica alguma em pagar as importações de energia em dólar e não em euro", disse um diplomata da UE .

Por exemplo, a maioria das importações denominadas em dólares, na verdade, vem da Rússia e do Oriente Médio. Ele fala da natureza do sistema financeiro internacional orientada para os EUA de que um refinador europeu que quer petróleo do Irã, Iraque ou Rússia, tem que comprar esse petróleo em dólares americanos, e está sujeito a demandas de Washington, mesmo que nenhuma entidade americana tenha alguma função nessa transação.

Obviamente, enquanto os interesses europeus e americanos estiveram alinhados, esse arranjo funcionou muito bem. Mas seus interesses divergiram em uma série de questões, incluindo a OTAN, o acordo sobre o clima de Paris e, mais significativamente, o acordo nuclear com o Irã.

As demandas da administração Trump de que a Europa reduza as importações do Irã para zero parece ter sido a gota d'água. Muitos em Bruxelas pedem agora um afastamento da relação transatlântica.

A incapacidade da Europa de neutralizar o impacto das sanções dos EUA ao Irã demonstrou o domínio do dólar e levou as autoridades europeias a buscar soluções. Alguns propuseram um sistema de pagamentos internacional rival, outros sugeriram a compra de petróleo iraniano em euros. Em agosto, a UE anunciou um pacote de ajuda de 18 milhões de euros para o Irã.
Mais recentemente, a UE - liderada pela França, Alemanha e Reino Unido - está trabalhando na criação de uma companhia financeira de “propósito especial” para ajudar o Irã a sair das sanções dos EUA e continuar vendendo seu petróleo. A empresa existiria para processar pagamentos por transações com o Irã, contornando os canais típicos de financiamento . Os EUA têm uma grande influência e acesso a sistemas de transferência de dinheiro existentes.

Há muitas razões pelas quais essa iniciativa pode não ter sido lançada ou ter apenas um impacto limitado. As empresas privadas, por exemplo, precisariam concordar em participar e há poucas evidências até o momento para sugerir que os refinadores europeus estejam dispostos a correr esse risco. E a tentativa de elevar o euro ao mesmo status do dólar será extremamente difícil e seria um projeto de longo prazo.

Mas um esforço crescente para elevar o euro, ou para conduzir vendas de petróleo denominadas em euro, combinado com um punhado de outras iniciativas destinadas a enfraquecer a influência do domínio financeiro de Washington, poderia acabar com o dólar ao longo do tempo.

Enquanto isso, no início deste ano, por suas próprias razões, a China lançou um contrato de petróleo em yuan, com sede em Xangai. A medida pretendia impulsionar a moeda chinesa, reduzir o risco cambial e, em um sentido mais amplo, obter alavancagem geopolítica e econômica em detrimento do dólar.

O dólar continua todo-poderoso, mas o uso agressivo de sanções por parte do governo Trump, cristalizado pela campanha de tolerância zero contra o Irã, pode minar o dólar a longo prazo se mais países começarem a procurar soluções alternativas.

Fonte: Oilprice.com

 

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.
Nick Cunningham
Compartilhe:
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x