Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

A China enfrenta crise iminente de energia, adverte estudo financiado pelo Estado

13 Novembro Lido 7250 vezes

Um novo estudo científico liderado pela China University of Petroleum em Pequim,

financiado pelo governo chinês, conclui que a China está prestes a enfrentar um pico em sua produção total de petróleo já no próximo ano.

Sem encontrar uma fonte alternativa de "novos recursos energéticos abundantes", adverte o estudo, o pico de 2018 no petróleo combinado convencional e não convencional da China prejudicará o crescimento econômico contínuo e "desafiará o desenvolvimento sustentável da sociedade chinesa".

Isso também tem grandes implicações para a perspectiva de um encarecimento do petróleo em 2018 - à medida que a China escala o seu pico de petróleo doméstico, o aumento da demanda afetará os mercados mundiais do petróleo de uma maneira que a maioria dos estrategistas não antecipam, contribuindo para um potencial gargalo de suprimentos. Isso poderia acontecer em 2018 propriamente dito, ou nos primeiros anos que se seguem.

Existem vários cenários que se seguem - a China poderia: mudar para reduzir sua demanda maciça de energia, de tamanha magnitude, com projeções de crescimento populacional e aumento do consumo; acelerar uma transição para energia renovável; ou militarizar o Mar da China Meridional para obter mais petróleo e gás em águas profundas.

Agora, a China parece seguir incoerentemente as três estratégias, com taxas de sucesso variadas. Mas uma coisa é clara - as decisões da China sobre como abordar o seu próximo futuro pós-pico afetarão a segurança política e econômica regional e global no futuro previsível.

Crescimento alimentado por fóssil
O estudo foi publicado no dia 19 de setembro pelo jornal Petroleum Science , publicado pela Springer , que é apoiado pelas três maiores corporações do petróleo da China, a China National Petroleum Corporation (CNPC), a China Petroleum Corporation (Sinopec) e a China National Offshore Oil Corporation (CNOOC ).

Desde 1978, a China experimentou uma taxa média de crescimento econômico anual de 9,8%, e agora é a segunda maior economia do mundo depois dos Estados Unidos.
O novo estudo aponta, no entanto, que esse crescimento econômico foi ativado pelo "alto consumo de energia".

No mesmo período de crescimento econômico meteórico, o consumo total de energia da China cresceu em média 5,8% ao ano, principalmente por combustíveis fósseis. Em 2014, o petróleo, o gás e o carvão representaram 90% do consumo total de energia da China, com o restante fornecido a partir de fontes de energia renováveis.

Após 2018, no entanto, prevê-se que a produção de petróleo da China comece a diminuir e a ampliação do déficit de oferta e demanda poderia pôr em perigo a segurança energética da China e o crescimento econômico continuado.
O principal autor do estudo é o professor Jianliang Wang, especialista em sistemas de energia da Escola de Administração de Empresas da Universidade de Petróleo da China (CUP), juntamente com os co-autores Jiang-Xuan Feng e Lian-Yong Feng da CUP; bem como Jiang-Xuan Feng da Universidade de Bedfordshire Business School e Hui Qu da CNPC.

Várias previsões
O estudo, que diz que seu objetivo é "ajudar os políticos a entender melhor o futuro suprimento a longo prazo dos recursos de combustíveis fósseis da China", realiza uma revisão minuciosa da literatura científica que prevê a produção chinesa de petróleo, gás e carvão.

Existem diferenças nas previsões anteriores para um pico de produção de petróleo convencional, que variam de 2002 a 2037.

Uma das principais causas de tais previsões diferentes, acham os autores, é uma falha em distinguir adequadamente entre recursos convencionais e não convencionais.

De acordo com um documento publicado em julho passado em Frontiers of Energy co-autoria de Sir David King, o ex-diretor de ciência científico do governo britânico, o petróleo convencional é relativamente barato, mas em uma escala global, a produção parou de aumentar em 2005. Para atender a demanda, o déficit diminuído por recursos de petróleo não convencionais, que, apesar de existir em abundância, são "mais dispendiosos para produzir, fornecem menos energia líquida e causam mais emissões de GEE [gases de efeito estufa]".

Muitas vezes, as autoridades chinesas realizam avaliações de recursos que não contabilizam adequadamente os custos econômicos da produção, superestimando em que medida esses recursos podem ser comercialmente recuperáveis.
Uma reserva de óleo passa pelo "pico" quando atinge a produção máxima em um ponto em que cerca de metade da reserva está esgotada. Depois disso, torna-se geofisicamente mais difícil e economicamente mais caro extrair da reserva, levando a produção a diminuir gradualmente.

O estudo não argumenta que o pico de petróleo significa que a China está ficando sem combustível fóssil - e os combustíveis fósseis convencionais diminuem, há uma mudança acelerada para combustíveis não convencionais mais caros. Embora estes possam existir em abundância, os custos econômicos da exploração são muito maiores, deixando alguns economicamente irrecuperáveis.

O fim do boom do petróleo da China
A principal descoberta do estudo é que a China está prestes a se tornar uma nação pós-pico. A produção de petróleo convencional da China provavelmente já atingiu o pico em 2014, e a produção de petróleo não convencional do país provavelmente atingirá o pico em 2021.

Avaliar a produção total de petróleo convencional e não convencional da China em conjunto coloca sua data global de "pico de petróleo" em 2018.

O desafio é que a China vai experimentar uma demanda de petróleo cada vez maior, o que teria que vir das importações de petróleo - impactando drasticamente os mercados mundiais de petróleo.

De agora em diante até 2040, a diferença entre a demanda interna e a produção nacional de petróleo aumentará 2,7%, em média, a cada ano. Portanto, os autores concluem que:
"... a segurança do fornecimento de petróleo continuará a ser uma preocupação séria para a China. A menos que a demanda por petróleo caia drasticamente, não há outra maneira de atender a esse fosso de oferta, exceto pelas importações de petróleo. Nesse caso, pode-se esperar que o mercado internacional de petróleo seja significativamente afetado pela tendência de importação de petróleo na China ".

Gás
O documento também chega às novas previsões da produção chinesa de gás e carvão. A produção total de gás da China provavelmente atingirá o pico em torno de 2040, com produção de gás não convencional superando o gás convencional por volta de 2034.

Mesmo este cenário poderia ser uma superestimação, pois a produção real de gás provavelmente será limitada por "problemas de água [que] podem ser o fator restritivo mais significativo para o desenvolvimento de gás de xisto da China".
A China sofre de uma exposição média "alta" ao estresse da água em relação ao seu petróleo de xisto e área de gás, observa o estudo.

No entanto, espera-se que a demanda chinesa de gás aumente tão rapidamente, que mesmo a produção "impressionante" de recursos de gás não convencionais não será suficiente para atender a demanda.

Até 2040, a demanda de gás é projetada em 600 bilhões de metros cúbicos (Bcm) por ano, quase o dobro da produção total de gás esperada da China nesse ano em 350 Bcm / ano. A partir daí, o fosso oferta-demanda para o gás continuará a aumentar rapidamente à medida que a produção doméstica diminui.

Das Alterações Climáticas?
O impacto da escassez de água não afetaria apenas a produção de gás da China. Outros estudos indicam como isso provavelmente afetará a produção de alimentos da China.

As projeções mostram que o aquecimento global, juntamente com a conversão de terras e a escassez de água, poderiam reduzir substancialmente a produção chinesa de alimentos nas próximas décadas.

No ano passado, um importante estudo publicado pelo Boletim da Organização Mundial da Saúde descobriu que, na década de 2040, as mudanças climáticas poderiam reduzir a produção de cereais per capita da China em 18%, em comparação com os níveis de 2000.

Para 2030-2050, a perda de terras agrícolas resultante de uma maior urbanização e degradação do solo pode levar a uma diminuição global de 13-18 por cento na capacidade de produção de alimentos da China - em comparação com a registrada em 2005.

Essas quedas podem resultar em uma "contínua ou recorrente falta de alimentos" que representa uma "ameaça substancial à saúde e ao bem-estar geral da comunidade, à estabilidade social e à nutrição humana".

Carvão
Finalmente, o estudo objetiva a exuberância do governo nas reservas domésticas de carvão. O carvão atualmente responde por cerca de 66% do consumo total de energia da China.

Acredita-se que as reservas de carvão da China sejam tão grandes que não há risco de escassez. O estudo argumenta, em vez disso, que tais estimativas têm pouco significado, pois não está claro o quanto pode ser produzido comercialmente "sob as condições econômicas e políticas existentes com a tecnologia existente".

Longe dos recursos de carvão da China que fornecem energia abundante no futuro previsível, o novo documento prevê que a produção doméstica de carvão da China deve atingir o pico iminente - em torno de 2020.
Isso poderia mudar dependendo da demanda doméstica, já que a China está liderando os esforços para reduzir o consumo de carvão.

"A produção de carvão pode atingir o pico em breve se a demanda continuar aumentando", disse o autor principal, o professor Jianliang Wang. "Graças à diminuição da procura de carvão desde 2014, a China pode não ver um pico de abastecimento de carvão se a demanda continuar a diminuir no futuro".

Impactos econômicos do declínio da energia líquida
Talvez as implicações mais relevantes do estudo sejam definidas em relação ao conceito de Retorno Energético do Investimento (EROI) , que mede a qualidade de um recurso, calculando a quantidade de energia necessária para extrair energia.
Este cálculo permite que os cientistas adotem uma avaliação da "energia líquida" de uma sociedade e, portanto, quanto energia "excedente" está disponível para investimentos em serviços econômicos fora do sistema energético - como fabricação, saúde, alimentos e assim por diante.

No início do século XX, os recursos de combustíveis fósseis eram de qualidade muito maior, o que significava que era necessário muito pouco consumo de energia para extrair esses recursos. Seus valores EROI foram em vários momentos superiores a 30 e às vezes até 100 e mais.

Mas a imagem global mudou dramaticamente "devido ao rápido esgotamento de combustíveis fósseis de alta qualidade após aproximadamente o ano 2000", o que reduziu "o EROI e, portanto, a quantidade de excedente de energia de combustíveis fósseis para a sociedade".

Essa é a imagem global, que explica de alguma forma a incapacidade da economia global para escapar de um crescimento lento consistente.

Na China, os dados disponíveis demonstram inequivocamente que o EROI dos combustíveis fósseis exibe "uma tendência decrescente, principalmente devido ao esgotamento dos recursos de carvão enterrados e ao afastamento dos recursos convencionais de petróleo e gás".

Considerando que, na década de 1990, o EROI do carvão da China era de cerca de 35, este havia diminuído para cerca de 29 até 2012. Prevê-se que ele caia para 25 e abaixo nos próximos anos.

Da mesma forma, o EROI do petróleo e do gás da China atingiu um máximo de cerca de 14 no final da década de 1990, declinando para 9,9 até 2012. Também prevê-se que mude lentamente para baixo nas próximas décadas.

O maior campo da China, o campo de petróleo Daqing, fornece um claro estudo de caso desse processo. Apenas para manter os níveis de produção existentes e para reduzir a taxa de declínio, a China teve que usar técnicas avançadas de recuperação de petróleo, conhecidas por seu "alto impacto econômico e econômico", levando a um menor rendimento energético líquido.

Isso levou o EROI da Daqing a cair tão baixo quanto 6,4 em 2012.

Bolha da dívida da China
O risco do crescimento econômico da China é agravado pelo fato de ter sido alimentado não apenas pelo alto consumo de energia, com base na disponibilidade de combustíveis fósseis de alta EROI, mas também pelo aumento meteórico da dívida não financeira, que inclui o agregado familiar, a empresa e dívida pública.

Esta dívida já era 242 por cento do PIB em 2016 e, de acordo com o FMI, aumentará para 300% até 2022. Visto de forma isolada, a insustentabilidade dessa bolha da dívida suscita preocupações quanto a uma possível queda acentuada do crescimento no médio prazo " , registrou o FMI em um relatório em agosto.

Riscos
O financiamento para o estudo da Ciência do Petróleo veio de uma seção transversal de instituições apoiadas pelo Estado chinês, incluindo a Fundação Nacional de Ciência Natural, a Fundação Nacional de Ciências Sociais, a Fundação de Jovens de Ciências Humanas e Ciências Sociais do Ministério da Educação e a Universidade de Petróleo de China , patrocinado pelo Ministério da Educação.

Perguntei ao Professor Wang se isso indicava que os políticos chineses estavam começando a levar a sério o risco de pico de petróleo.

"Muitos especialistas, incluindo aqueles do governo, já conheciam sobre nossos papéis e as questões pico de petróleo", disse Wang, explicando que seu grupo de pesquisa foi o primeiro a ter introduzido o conceito de pico de petróleo para a China. "O governo chinês tomou medidas durante anos para lidar com o problema de que a produção doméstica de petróleo e gás na China não pode satisfazer sua demanda".

Mas ele acrescentou que, embora algumas agências oficiais apoiem a pesquisa básica, os principais responsáveis políticos chineses não entenderam necessariamente o problema.

Embora um número significativo de especialistas em energia chineses concordem que "o pico do petróleo na China é real e pode vir em breve, eles não pensam que o pico do petróleo no mundo é real", disse Wang:
"Portanto, se a China pode importar o suficiente de petróleo com custo razoável, os impactos na economia não são considerados o problema principal pelo governo. O que eles importam é o custo de importação, o preço mundial do petróleo. Se o preço for muito alto, isso afetará significativamente a economia chinesa ".

O estudo encapsula esse risco sucintamente. Os autores advertem que:
"... as restrições de provisão de recursos de petróleo e gás provavelmente terão impactos muito sérios na segurança do petróleo e do gás da China. O fosso entre a produção doméstica e a demanda de petróleo e gás deverá aumentar rapidamente. Além disso, as restrições da oferta de carvão mostram que é improvável que um cenário elevado de demanda de carvão seja atingido pela produção puramente doméstica ".

Essas preocupações são agravadas no contexto da crescente bolha de dívida da China e os impactos intensivos das mudanças climáticas na disponibilidade de água e alimentos da China, o que, por sua vez, levaria a uma crescente dependência das importações de combustíveis fósseis e alimentos - ampliando os custos totais em a economia.

Crunch de petróleo global?
Todos esses riscos seriam compostos se os mercados globais do petróleo tiverem um aperto de suprimentos de algum tipo. De acordo com Wang, é provável que um pico na produção global de petróleo chegue mais cedo ou mais tarde:
"Nosso grupo acha que o pico do petróleo global pode chegar mais cedo do que a maioria das pessoas pensa. Então, se isso acontecer, as quantidades de importação e os custos de importação serão os grandes problemas que a China deve considerar ".
No ano passado, o INSURGE publicou exclusivamente um relatório confidencial do HSBC, concluindo que 81% da produção mundial de líquidos está em declínio e que isso pode levar a uma compressão do petróleo em 2018.
Essa visão foi parcialmente corroborada por Ed Morse, chefe de commodities globais no Citigroup, que recentemente disse que os produtores da OPEP, na maioria, já operam em capacidade máxima , em grande parte devido à falta de investimento em exploração e desenvolvimento.

O relatório do HSBC, no entanto, foi além disso, concluindo que, embora os fatores econômicos sejam um problema importante, a maioria dos produtores da OPEP estão agora enfrentando restrições geofísicas que provavelmente não poderão superar.
Nem todos concordam com isso, com alguns observadores apontando que, mesmo que um gargalo de suprimentos funcione, a subida de preços poderia incentivar os produtores de xisto dos EUA a entrar em operação em questão de dias.
No entanto, de qualquer forma, a imagem geral é que, como os combustíveis fósseis da mais alta qualidade da China estão esgotados, não será capaz de evitar a pressão crescente dos custos de energia crescentes.

A crescente dependência da China das importações de combustíveis fósseis também sugere que, após 2018, os mercados mundiais do petróleo serão cada vez mais prejudicados pela crescente demanda do país. Isso poderia muito bem ser outro potencial de um aperto de petróleo global em ou após 2018, de uma forma que a maioria das previsões negligenciou.

Destacando a "tendência declinante constante" nas relações EROI de carvão, petróleo e gás, o estudo observa que isso é "geralmente consistente com a aproximação dos picos de produção física dos combustíveis fósseis".
Uma tendência de declínio no EROI significa que são necessários mais e mais insumos de energia para produzir a mesma quantidade de produção de energia:

"Essa situação será insustentável para a sociedade chinesa se a China não conseguir encontrar fontes de energia novas e abundantes com valores elevados de EROI ou encontrar alguma maneira de sustentar um bilhão e meio de pessoas com um padrão digno de vida por meios muito menos intensivos em energia. "

Guerra para o petróleo?
Em resposta a este desafio iminente, a China poderia diminuir o “negócio como de costume”, buscando consolidar o acesso a novas fontes de petróleo e gás como parte de uma estratégia mais ampla de "segurança do petróleo".
Isso poderia fazer a China adotar uma abordagem muito mais agressiva para os recursos de petróleo e gás inexplorados no Mar da China Meridional, onde o Vietnã, a Indonésia, Malasyia e as Filipinas, ao lado da China, contestam as reivindicações de diferentes campos de petróleo e gás offshore.

Enquanto isso, a ExxonMobil, cujo ex-CEO Rex Tillerson é agora Secretário de Estado sob o presidente Donald Trump, forjou sistematicamente acordos de petróleo com todos esses países. Isso implica que a empresa - e potencialmente o governo dos EUA - em uma estratégia de invasão para acessar os recursos de combustível fóssil do Mar do Sul da China.

Tudo isso aumenta o risco de conflitos no Mar da China Meridional relacionado a reivindicações de recursos energéticos, não só entre a China e as potências asiáticas locais, mas potencialmente entre a China e os EUA.
Para uma super rede regional com energia renovável?

A China poderia, é claro, adotar uma estratégia alternativa focada na redução deliberada do consumo de combustível fóssil. O objetivo atual da China visa transitar 20% do seu aprovisionamento de energia para as energias renováveis até 2030.
Os dados de demanda projetados apresentados no estudo da Petroleum Science sugerem, porém, que isso ainda não seria suficiente para atender o projetado de abastecimento de combustível fóssil.

A China também está trabalhando em uma linha de tempo para eliminar os veículos a óleo. Para que tal iniciativa funcione, a China pode ter que se mover ainda mais rápido.

Os autores do estudo sugerem que uma opção é que a China explore "meios muito menos intensivos em energia" para apoiar sua população, sugerindo uma mudança concertada para estilos de vida com base em menor consumo.

De acordo com Christian Breyer, professor de Economia Solar na Universidade da Tecnologia de Lappeenranta (LUT), Finlândia, uma rápida transição chinesa para renováveis continua a ser viável e "permitiria um alto suprimento de energia doméstica".

Em 2016, Breyer e seu colega da LUT, Dmitrii Bogdanov, lançaram um estudo na revista Energy Conversion and Management , apresentando os resultados de um modelo detalhado de testes de simulação da viabilidade de um sistema de energia 100% renovável no Nordeste da Ásia.

O modelo mostrou que uma "super-rede" regional que interconecta a Mongólia, o Japão, a Coréia do Sul e a Coréia do Norte, a China e o Tibete poderia oferecer um fornecimento de energia seguro e confiável a partir de fontes renováveis, atendendo aos níveis de demanda projetados até 2030. E poderia fazê-lo a um custo significativamente menor do que a energia nuclear, ou as tecnologias de captura e armazenamento de carbono baseadas em combustível fóssil (CCS).

O modelo de Breyer e Bogdanov demonstra que um sistema de energia 100% renovável seria muito mais viável se os países da região trabalharem juntos para compartilhar e distribuir seus recursos disponíveis em uma rede elétrica integrada trans-regional integrada.

Mas, segundo o professor Breyer, a mistura chinesa de fontes solares, eólicas e hidrelétricas é excelente, e a China não precisaria de tal rede regional para ter sucesso: "a China pode fazer isso sozinha, sem qualquer dúvida".

Ele acrescentou, no entanto, que "partes muito elevadas de energias renováveis" - mais alto do que a China atualmente está apontando - "são obrigatórias ... por razões de disponibilidade de combustível fóssil, economia energética, restrições de segurança energética, considerações militares, restrições sociais, impactos ambientais e problemas de saúde. A única questão é a rapidez com que a transição pode ser feita ".

Dado o novo estudo, esta transição pode ser uma questão de sobrevivência - não apenas para a prosperidade futura da China, mas para a segurança regional e internacional.

Fonte: https://medium.com/insurge-intelligence/chinas-economic-boom-is-about-to-be-cut-short-by-peak-oil-warns-state-funded-study-exclusive-2533df2aeb6b

Tradução: Alex Prado

 

Última modificação em Terça, 14 Novembro 2017 17:00
Avalie este item
(5 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed