Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Dez anos depois

Publicado em 14/08/2017 Escrito por  Michael Roberts - Tradução: Alex Prado Lido 3790 vezes

face-homemJá são dez anos desde o dia em que o crash financeiro global começou

com a notícia de que o banco francês BNP suspendeu seus fundos hipotecários subprime por causa da "evaporação da liquidez".

Em apenas seis meses, o crédito secou e as taxas de juros interbancárias dispararam (ver gráfico acima).Os bancos de todo o mundo começaram a sofrer enormes prejuízos nos fundos derivados que tinham estabelecido para lucrar com o boom da habitação que havia decolado nos EUA, mas que começava a ruir. E os EUA e o mundo entraram no que foi chamado mais tarde de A Grande Recessão, a pior queda na produção e comércio mundial desde a década de 1930.

Dez anos depois, vale lembrar algumas das lições e implicações desse terremoto econômico.

Em primeiro lugar, as instituições oficiais e os economistas tradicionais nunca previram isso. Em 2002, o chefe do Banco Central dos EUA (Fed), Alan Greenspan, então apelidado como o grande maestro da engenharia de um boom econômico substancial, anunciou que "inovações financeiras", ou seja, derivativos de fundos hipotecários, etc., tinham "risco diversificado" para que "choques da economia global fossem melhor os e menos propensos a criar falhas em cascata que possam ameaçar a estabilidade financeira ".

Ben Bernanke, que presidiu o Fed sobre o “crash” financeiro global, observou em 2004 que "as últimas duas décadas viram uma marcada redução na volatilidade econômica" que ele apelidou de Grande Moderação. E, até outubro de 2007, o FMI concluía que "nas economias avançadas, as recessões econômicas praticamente desapareceram no período pós-guerra".

Uma vez que a profundidade da crise foi revelada em 2008, Greenspan disse ao Congresso dos EUA: "Estou chocado, em um estado de incredulidade". Ele foi questionado "em outras palavras, você descobriu que sua visão do mundo, sua ideologia, não estava certa, não estava funcionando" (presidente do comitê de supervisão do Congresso, Henry Waxman). "Absolutamente, precisamente, você sabe que é precisamente por isso que fiquei chocado, porque eu levo 40 anos ou mais com provas muito consideráveis de que tudo estava funcionando excepcionalmente bem".

Os grandes economistas da corrente hegemônica (mainstream) não se saíram melhores. Quando perguntado o que causou a Grande Recessão se não fosse uma bolha de crédito que explodisse, o vencedor do Prêmio Nobel e economista neoclássico de Chicago Eugene Fama respondeu: "Nós não sabemos o que causa recessões. Eu não sou um macroeconomista, então não me sinto mal por isso. Nós nunca conhecemos. Debates continuam até hoje sobre o que causou a Grande Depressão. A economia não é muito boa em explicar as mudanças na atividade econômica ... Se eu pudesse ter previsto a crise, eu teria. Eu não vejo isso. Eu adoraria saber mais o que causa ciclos econômicos ".

Aquele que viria ser o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, comentou em retrospectiva que "a crise financeira levanta uma crise potencialmente existencial para a macroeconomia". Alguns pressupostos fundamentais [neoclássicos] estão sendo desafiados, por exemplo, a separação limpa entre ciclos e tendências " ou " as ferramentas econométricas, baseadas em uma visão do mundo como estacionárias em torno de uma tendência, estão sendo desafiadas".

Mas a maioria dos chamados economistas heterodoxos, incluindo os marxistas, não previram o crash e a grande recessão que se seguiu. Havia algumas exceções: Steve Keen, o economista australiano previu uma crise de crédito com base em sua teoria de que "o elemento essencial que dá origem à Depressão é a acumulação de dívidas privadas" e que estas nunca tinham sido tão grandes como em 2007 nas principais economias. Em 2003, Anwar Shaikh considerou a queda na rentabilidade do capital e a onda de queda no investimento estavam levando a uma nova depressão. E em 2005 disse: "Não houve uma coincidência de ciclos desde 1991. E desta vez (ao contrário de 1991), será acompanhado pela queda na rentabilidade dentro do ciclo Kondratiev de preços em baixa. Estará tudo no fim da colina em 2009-2010! Isso sugere que podemos esperar uma queda econômica muito grave de um grau não visto desde 1980-2 ou mais "(The Great Recession (https://www.amazon.co.uk/d/cka/Great-Recession-Michael-Roberts/144524408X)).

Quanto às causas do crash financeiro global e da Grande Recessão que se seguiu, eles foram analisados ad nauseam desde então. Os grandes economistas não previram o crash chegar e ficaram totalmente perplexos, tentando explicar depois. O crash foi claramente de forma financeira: com o colapso de bancos e outras instituições financeiras e as armas de destruição financeira em massa, usaram a famosa frase de Warren Buffett, o investidor de mercado de ações mais bem sucedido do mundo. Mas muitos recuaram sobre a teoria do acaso, um evento que era um em um bilhão; "um cisne negro", como afirmou Nassim Taleb.

Alternativamente, o capitalismo era intrinsecamente instável e as quebras ocasionais eram inevitáveis. Greenspan tocou neste ponto de vista: "Não conheço nenhuma forma de organização econômica baseada na divisão do trabalho (ele se refere à visão Smithiana de uma economia capitalista), do laissez-faire sem restrições ao planejamento central opressivo que conseguiu alcançar o máximo de sustentabilidade, crescimento econômico e estabilidade permanente. O planejamento central certamente falhou e duvidamos fortemente de que a estabilidade seja alcançável nas economias capitalistas, dado os mercados competitivos sempre turbulentos, continuamente atraídos, mas nunca alcançando o equilíbrio ". Ele prosseguiu: "a menos que haja uma escolha social para abandonar mercados dinâmicos e alavancar alguma forma de planejamento central, temo que a prevenção de bolhas no final acabe por ser inviável. Amenizar as consequências é tudo o que podemos esperar ".

A maioria dos líderes econômicos oficiais, como Blanchard e Bernanke, viu apenas os fenômenos superficiais do “crash” financeiro e concluiu que a Grande Recessão era o resultado da imprudência financeira por bancos não regulamentados ou um "pânico financeiro". Isso coincidiu com alguns pontos de vista heterodoxos baseados nas teorias de Hyman Minsky, economista radical keynesiano da década de 1980, de que o setor financeiro era intrinsecamente instável porque "o sistema financeiro necessário para a vitalidade e o vigor capitalistas, o que traduz espíritos animais empresariais em investimentos efetivos na demanda, contém o potencial de expansão desenfreada, impulsionada por um boom de investimento. Steve Keen, um seguidor de Minsky, colocou assim: "o capitalismo é inerentemente falho, sendo propenso a booms, crises e depressões. Essa instabilidade, em minha opinião, é devido a características que o sistema financeiro deve possuir para ser consistente com o capitalismo pleno ". A maioria dos marxistas aceitou algo parecido com a visão de Minskite, vendo a Grande Recessão como resultado da "financeirização" criando uma nova forma de fragilidade no capitalismo.

Dos keynesianos convencionais, Paul Krugman criticou as falhas da escola neoclássica, mas não ofereceu nenhuma explicação, exceto que era um "mau funcionamento técnico" que precisava e poderia ser corrigido ao restaurar a "demanda efetiva".
Poucos economistas marxistas olharam para a visão original de Marx sobre as causas das crises comerciais e financeiros e as consequentes quedas na produção. Um desses era G Carchedi, que resumiu essa visão em seu excelente, mas muitas vezes ignorado Behind the Crisis, com: "O ponto básico é que as crises financeiras são causadas pela diminuição da base produtiva da economia. E, portanto, alcançado um ponto em que deve haver uma deflação súbita e maciça nos setores financeiro e especulativo. Mesmo que pareça que a crise tenha sido gerada nesses setores, a causa final reside na esfera produtiva e na taxa de lucro decrescente naquela esfera. "Concordando com essa explicação, o melhor livro sobre a crise continua sendo o de Paul Mattick Jnr, Business as usal.

E, de fato, a rentabilidade nos setores produtivos das principais economias capitalistas foi baixa historicamente em 2007, como vários estudos demonstraram. Nos EUA, a rentabilidade atingiu o pico em 1997 e o aumento da rentabilidade no boom do crédito de 2002-6 foi predominantemente nos setores financeiro e imobiliário. Isso incentivou um enorme aumento no capital fictício (ações e dívidas) que não poderia ser justificado pela melhora suficiente nos lucros do investimento produtivo.

A massa de lucro começou a cair nos EUA em 2006, mais de um ano antes da crise de crédito em agosto de 2007. A queda dos lucros significou a acumulação de capital e, portanto, uma redução acentuada no investimento. Uma queda na produção, emprego e renda seguiu, por exemplo, a Grande Recessão.

Desde o fim dessa recessão em meados de 2009, a maioria das economias capitalistas experimentou uma recuperação muito fraca, muito mais fraca do que depois de anteriores recessões pós-guerra e, em alguns aspectos, ainda mais fraca do que na década de 1930. Um recente relatório do Instituto Roosevelt, de autoria de JW Mason, descobriu que "não há precedentes para a fraqueza do investimento no ciclo atual. Quase dez anos depois, os gastos com investimentos reais permanecem menos de 10% acima do seu pico de 2007. Isso é lento mesmo em relação ao ritmo anêmico do crescimento do PIB, e extremamente baixo para padrões históricos ".

Assim, a Grande Recessão tornou-se a Longa Depressão, como eu descrevi, um termo também adotado por muitos outros, incluindo economistas keynesianos como Paul Krugman e Simon Wren-Lewis. Por que a Grande Recessão não levou a uma recuperação econômica "normal" às taxas de investimento e produção anteriores? Os principais economistas da escola monetarista argumentam que os governos e os bancos centrais estavam lentos em reduzir as taxas de juros e adotar ferramentas monetárias "não convencionais", como a flexibilização quantitativa. Mas quando o fizeram, essas políticas pareciam ter falhado na revitalização da economia e apenas alimentaram um novo mercado de ações e boom da dívida.

A escola neoclássica considera que a dívida deve ser reduzida, uma vez que pesa sobre a capacidade das empresas de investir, enquanto os governos "afastam" o crédito por causa de seus altos níveis de empréstimos. Isso ignora o motivo da alta dívida do governo, ou seja, o enorme custo de resgatar os bancos globalmente e a queda nas receitas tributárias da recessão. Em oposição, os keynesianos dizem que a Longa Depressão se deveu a "austeridade", ou seja, os governos que tentam reduzir os gastos e equilibrar os orçamentos. Mas a evidência para essa conclusão não é convincente.

O que as visões neoclássicas, keynesianas e heterodoxas têm em comum é a negação de qualquer papel de lucro e rentabilidade em booms e queda no capitalismo! Como resultado, nenhum procura uma explicação para baixo investimento em momento de baixa rentabilidade. E, no entanto, a correlação entre lucro e investimento é alta e continuamente confirmada e a rentabilidade na maioria das economias capitalistas ainda é menor que em 2007.

Depois de dez anos e uma fase de recuperação econômica decididamente longa e muito fraca, devemos esperar mais alguma queda? A história sugeriria que assim. Não será desencadeada por outra queda imobiliária, na minha opinião. Os preços dos imóveis, na maioria dos países, ainda não foram recuperados para os níveis de 2007 e mesmo que as taxas de juros sejam baixas, os níveis de transações hipotecárias são modestos.

É provável que o novo gatilho esteja no próprio setor corporativo. A dívida corporativa continuou aumentando globalmente, especialmente nas chamadas economias emergentes. Apesar das baixas taxas de juros, uma parte significativa das empresas mais fracas é incapaz de arcar com o serviço de suas dívidas. S & P Capital IQ apontou que um estoque recorde de US $ 1,84 trilhão em dinheiro detido por empresas não financeiras dos EUA mascarou um fardo da dívida de US $ 6,6 trilhões. A concentração de caixa dos 25 maiores detentores, que representam 1% das empresas, agora representa mais da metade do total da caixa. Isso foi de 38% há cinco anos atrás. A grande conversa sobre os gigantes como a Apple, a Microsoft, a Amazon, com mega reservas de caixa, esconde a imagem real para a maioria das empresas.

As margens de lucro em geral estão diminuindo e os lucros das empresas não-financeiras dos EUA também caíram.

E agora, os bancos centrais, à frente o Federal Reserve dos EUA, começaram a reverter a "flexibilização quantitativa" e aumentar as taxas de juros. O custo dos empréstimos e o serviço da dívida existente aumentarão, justamente no momento em que a lucratividade está caindo.

Essa é a receita para uma nova queda, dez anos após a última em 2008?

Fonte: Blog do Michael Roberts

Última modificação em Terça, 15 Agosto 2017 15:21
Avalie este item
(1 Vote)
Veja algumas métricas do portal.