Siga a AEPET
logotipo_aepet
Pablo Jofre Leal
Pablo Jofre Leal

O conceito hipócrita de liberdade para o imperialismo

Independentemente da censura e se esta é total ou temporária, a liberdade para Washington representa um conceito vazio.

Publicado em 12/09/2023
Compartilhe:

O conceito de liberdade para Washington e com ele o que entendem as empresas desse país, com o lobby sionista por trás das suas ações, refere-se à submissão aos ditames e decisões que este conluio tenta impor ao mundo. Uma sociedade formada para o crime, uma associação ilícita destinada a cometer crimes e que provou que o Comitê de Assuntos Americano-Israelenses – AIPAC – é o verdadeiro poder nas sombras em matéria de política externa dos Estados Unidos. A expressão mais clara desta ideia é o ataque permanente contra a República Islâmica do Irã, em todas as áreas, incluindo a questão dos meios de comunicação social e a sua limitação, proibição e até encerramento do acesso às redes sociais, em virtude das decisões e objetivos do atual administração e as pressões sionistas e os seus meios de comunicação.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

É assim que ele tem vivido, por exemplo, mostrando claramente como atuam o imperialismo e o poder hegemônico, as diferentes redes de notícias gráficas e sociais, portais da nação persa, que sofre censura, por parte de empresas como Google e YouTube, trazendo permanentemente consigo o encerramento momentâneo das suas contas globais numa decisão inaceitável, mostrando que estas redes estão sujeitas ao controle de interesses onde a liberdade não é o bem mais precioso. Esta medida, aliada ao trabalho quotidiano de pressões e ataques com o Irã, tem a missão de silenciar vozes dissonantes, aquelas que mostram o que os meios de comunicação ocidentais não querem expor, uma guerra que visa censurar diferentes vozes, apontando para meios de comunicação alternativos, que lutam para mostrar uma realidade não manipulada.

A par do acima mencionado está o plano mestre de Washington para tentar silenciar a voz do Irã em defesa da sua soberania, como tem sido uma tarefa fundamental, especialmente após a assinatura do abrangente Plano de Ação Conjunta – JCPOA – que Washington abandonou de forma violadora, apagando com o cotovelo o que foi assinado com a mão. No caso do Google, a referida empresa, principal subsidiária da multinacional americana Alphabet Inc. cuja especialização são produtos e serviços relacionados à Internet, software, dispositivos eletrônicos e outras tecnologias; impõe restrições permanentes às contas dos meios de comunicação e portais iranianos, tanto nas plataformas YouTube como Google Plus. A desculpa era que a Hispantv havia violado os termos do Google em relação ao envio de spam – lixo – conteúdo publicitário e solicitações em massa. Todos eles argumentos falsos e claramente destinados a exercer pressão e atacar os meios de comunicação que se opõem à hegemonia global.

É claro que o governo dos EUA se sente desconfortável com um país soberano como o Irã. Fica “zangado” na sua política hegemônica encontrar um rival que seja capaz de o confrontar no mesmo terreno e derrotar os seus aliados, como aconteceu na guerra de agressão contra a Síria e o Iraque, onde o Eixo da Resistência tem sido um muro onde caiu a tríade formada pelo imperialismo, sionismo e wahhabismo saudita. Ao mesmo tempo que o Plano de Ação Conjunto Global – JCPOA na sigla em inglês – tem mostrado a força persa na execução de um programa nuclear baseado nos seus objetivos nacionais, mostrando ao mundo que o único que não cumpre os acordos estabelecida entre o G5+1 e o Irã, é precisamente o governo dos EUA que não aceita, que não assimila que termos como soberania e dignidade ainda estejam presentes em muitos povos do mundo.

Independentemente da censura e se esta é total ou temporária, a liberdade para Washington representa um conceito vazio. Um termo desprovido de sentido na área da soberania e da dignidade ao se opor aos ditames desta potência mundial no que diz respeito às relações entre os povos. A liberdade para este país, para a sua administração governamental e para a cultura que o domina, só compreende a escolha entre as suas posições (portanto, sujeição) ou ter que enfrentar a sua fúria, decisões, pressões e ataques em todas as áreas. É a mera vontade decidir se você quer ser amigo ou inimigo dele. Não há possibilidade de escolha independente de vassalagem. O modelo capitalista que anima o suposto livre arbítrio que este sistema implica é simplesmente a expressão de um modelo tirânico, explorador e agressivo. Para o analista americano Noam Chomsky “A ideologia do capital, expressa pelo neoliberalismo, sustenta que a liberdade aumenta cada vez mais, enquanto na prática a tirania aumenta. O neoliberalismo é tirania e tanto o Partido Republicano como o Partido Democrata, sem exceção, dedicam os seus esforços à destruição da vida humana.

O neoliberalismo nos Estados Unidos elevou o interesse do capital acima do interesse do povo, evidenciando uma redução democrática, que causou e intensificou a desigualdade. Enquanto o capital e os capitalistas desfrutam de total liberdade e proteção.” Anos atrás, esse renomado linguista e analista político disse em uma interessante palestra na Sala Ríos Reyna do Teatro Teresa Carreño em Caracas: “Se você é crítico da política, você é antiamericano. Nos Estados Unidos, o sistema socioeconômico é concebido de modo que o controle dos meios de comunicação social esteja nas mãos de uma minoria, proprietários de grandes corporações... o que faz com que os interesses financeiros destes grupos sejam sempre encontrados abaixo da suposta liberdade de expressão. . Nos Estados Unidos existe uma monopolização dos principais meios de comunicação por parte de entidades privadas e corporativas, o que restringe radicalmente a possibilidade de expressar opinião e fornecer informação." Palavras precisas que continuam a ser plenamente válidas.

Ao nível descrito, sem dúvida, qualquer posição independente da hegemonia estadunidense representa um perigo para o grande capital, para o complexo militar-industrial e para os apoiantes essenciais desta entidade, como o lobby sionista nos Estados Unidos, França e Grã-Bretanha, essencialmente. Donos de grandes corporações de mídia, tornaram-se manipuladores de informações, criadores de matrizes de opinião e, sobretudo, desviando a atenção de grandes questões baseadas nos interesses políticos, econômicos e militares dos Estados Unidos e seus aliados. Um sionismo que está por trás das medidas de censura dos meios de comunicação que o mostram como ele é: uma ideologia colonialista, racista e criminosa.

Junto com eles existe um fundo de investimentos de enorme riqueza: o Grupo Vanguard, que movimenta investimentos de mais de 400 bilhões de dólares no mundo, que inclui empresas como Google, Facebook, Twitter - hoje X - Time Warner, Monsanto, Coca- Cola, Apple, Goldman Sachs, Pfizer, Viacom Inc. Que por sua vez é dona da CBS, entre outras. Uma empresa onde a família Rothschild, através da Rothschild Asset Management Inc. e outras subsidiárias, tem uma participação majoritária. À qual se juntam as empresas desta família em amplos ramos da economia e das finanças: JP Morgan Chase & Co. Lehman Brothers Holdings Inc. Walt Disney, Boeing entre outros. Falar do Grupo Vanguard é descrever uma corporação voraz com enorme poder político e econômico, com milhões de dólares destinados ao lobby para impor condições leoninas ao povo e assim favorecer as grandes empresas das quais é o seu principal proprietário. Uma empresa que atua na área de OGM, bem como na mídia, nas empresas cinematográficas e na indústria alimentícia. O Grupo Vanguard é uma parte essencial da chamada Rede Global de Controle Corporativo.

As críticas a essas informações costumam vir justamente de quem faz parte desse círculo de poder. Eles fazem o trabalho: minimizar o domínio real das corporações transnacionais como a mencionada acima ou acusá-las de teorias da conspiração, que apenas encorajam a desconfiança nos quadros de liberdade econômica e política em que opera o neoliberalismo. Soma-se ao que foi registrado o trabalho de dar cobertura discursiva às suas políticas de agressão, que é o eixo que consolida esse império baseado na força. É o caso da Hasbara sionista, por exemplo, uma política de propaganda implementada pelas autoridades do regime israelita, para minimizar as críticas ao sistema de apartheid implementado contra o povo palestiniano desde maio de 1948 até a data em que foi fundada a entidade sionista nos territórios concedidos pelas Nações Unidas através da Resolução nº 181 de novembro de 1947 e que neste dia 29 comemorou seus 70 anos de infeliz ocorrência.

A Hasbara pretendia “explicar as políticas do regime israelita e promover a limpeza da sua imagem”. Esta Hasbara tem infraestrutura própria e está localizada no gabinete do primeiro-ministro israelita e em unidades específicas de vários ministérios que desenvolvem os seus esforços mediáticos - entre eles a sua luta particular contra os meios de comunicação críticos do sionismo, como Telesur, Al Manar, Annur TV. , Hispantv entre outros – estamos falando do Ministério de Assuntos Militares, Relações Exteriores e Turismo incluindo a Agência Judaica Israelense. Esta burocracia “recruta periodicamente voluntários dispostos a realizar trabalho hasbara, isto é, propaganda, nos meios de comunicação ocidentais”.

O lançamento da Direção Nacional de Informação israelita e da sua política Hasbara, com um orçamento secreto, significou, por exemplo, a criação de entidades que passaram a operar em todas as regiões do mundo, com especial destaque para África e América Latina. Isto porque o Lobby Judaico nos Estados Unidos, França e Inglaterra tem tanto poder e gere meios de comunicação tão óbvios que decidiram concentrar e alocar esforços aos governos e sociedades de países onde o lobby Judaico é menos forte e requer forçar os políticos desses países e dos seus meios de comunicação para difundir a mensagem sionista.

O neoliberalismo visa limitar a intervenção do Estado, diminui-lo e gerar o surgimento de multinacionais nas economias populares, deixando tudo ao suposto arbítrio dos atores privados; um imperialismo que teme a liberdade e se intimida pela soberania do povo. E como acontece, igualmente, com o sionismo aterrorizado com a possibilidade de perder os seus privilégios e pagar pelos seus crimes. As empresas que apoiam as políticas destas ideologias e práticas totalitárias são simples marionetes de um poder que tem de morrer, de uma supremacia que se assusta com canais alternativos de informação, que escapam ao seu controle e orientações e que dia após dia ajudam a desarmar a sua outrora onipotência.

Um poder global que perde espaço a cada dia e se sente afogada na ideia de poder continuar agarrada ao que lhe escapa, que não consegue mais exercer o controle total. Por isso utiliza estas ferramentas, para isso confia nestas plataformas online e obriga-as a censurar, a tomar decisões que violam a liberdade de expressão e de informação, com um apetite hegemônico que parece insaciável. Resulta sem dúvidas que as políticas do sistema hegemônico buscam impor a discórida entre os povos. As políticas hegemônicas buscam criar inseguridade, desinformação, calar vozes dissonantes do modelo que se pretende impor restringindo a liberdade dos povos.

O Aiatolá Khamenei, numa mensagem forte e contundente, indicou que o mundo em geral e as sociedades muçulmanas em particular devem evitar a desunião e que é necessário “cerrar fileiras para enfrentar os seus inimigos mais importantes e implacáveis, que são o sionismo e o imperialismo” , sobre o qual ele disse, “em conspirações e guerras eles querem ver os muçulmanos dizimados, desunidos e combatidos em guerras étnicas, locais e regionais.” O que apontou como principal cancro foi a entidade sionista, que se situa, disse, no coração geográfico do mundo islâmico. E o principal tecido a ser salvo deste cancro é a Palestina, com a qual pediu aos muçulmanos que refletissem sobre a união e a salvação.

E, nesta tarefa, os meios de comunicação alternativos são um caminho para enfrentar o império e a ditadura da manipulação e da desinformação. Alternativas ao poder global, valiosos instrumentos de luta, é contra eles que o imperialismo e o sionismo dirigem os seus dardos. Neste quadro de ação, ter meios de informação e cultura sobre o que é o mundo do Islã, é uma ponte inestimável para promover a aproximação cultural entre o mundo islâmico e a América Latina, onde também se revela um alarme fundamental na política ideológica e na luta política e de comunicação. A solução é avançar para a independência definitiva no acesso à informação, no uso das redes sociais, nas tecnologias que não estão associadas aos Estados Unidos, às suas corporações transnacionais e aos seus fantoches regionais que não acreditam na liberdade. A solução é aumentar a plena soberania do nosso povo numa luta incansável contra os seus principais inimigos: o Imperialismo e o Sionismo. A morte de ambos é a vida da grande maioria da humanidade.

Pablo Jofre Leal é jornalista e escritor chileno

Fonte(s) / Referência(s):

guest
2 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Pablo Jofre Leal
Nenhum artigo encontrado

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

2
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x