Siga a AEPET
logotipo_aepet
Vários autores; Autor sem foto
Michael Kern

O início do fim da globalização

seja com a Rota da Seda, os vikings, a viagem de Colombo, ou mesmo antes disso, com as primeiras rotas migratórias humanas. Agora, não

Publicado em 28/03/2022
Compartilhe:

seja com a Rota da Seda, os vikings, a viagem de Colombo, ou mesmo antes disso, com as primeiras rotas migratórias humanas.

Agora, não é mais relevante quando começou. Em vez disso, a nova questão é se o presidente russo Vladimir Putin vai acabar com isso.

A guerra da Rússia contra a Ucrânia e as sanções ocidentais que se seguiram podem ter um impacto duradouro na globalização, um processo que, independentemente de quando as primeiras sementes foram plantadas, realmente se enraizou há algumas décadas.

A globalização estava sob ataque em algum nível antes da invasão da Ucrânia por Putin. Mais significativamente, a pandemia global nos permitiu ver claramente as vulnerabilidades, especialmente com as cadeias de suprimentos e nossa dependência de sua natureza global.

Agora, todos clamam desesperadamente por “independência”, seja de energia ou de outros recursos.

No segundo trimestre de 2020, no início dramático da pandemia, o comércio global caiu 18,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Desde então, a economia global começou a se recuperar, apenas para ser atingida novamente por uma guerra no continente europeu – uma guerra que poderia abalar o equilíbrio de poder.

Larry Fink, CEO da BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, acha que agora estamos vendo o começo do fim da globalização.

Em uma carta aos acionistas, Fink escreveu que a “dissociação da Rússia da economia global” após seu ataque à Ucrânia fez com que governos e empresas examinassem sua dependência de outras nações.

"A invasão russa da Ucrânia pôs fim à globalização que experimentamos nas últimas três décadas", escreveu Fink.

Por sua vez, a BlackRock, que administra mais de US$ 10 trilhões, já suspendeu a compra de quaisquer títulos russos em suas carteiras ativas ou de índices.

O fundador da Oaktree Capital Management, Howard Marks, compartilha a opinião de Fink, mesmo que sua opinião seja menos dramática. Ele está alertando os investidores de que os países vão iniciar um grande esforço para retornar ao fornecimento localizado.

“Em vez das fontes mais baratas, fáceis e verdes, provavelmente haverá mais prêmios nas fontes mais seguras e confiáveis”, disse Marks.

O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, pensa algo semelhante. Os efeitos macroeconômicos diretos da invasão da Rússia na economia dos EUA não são tão grandes, diz Bullard, mas “a guerra da Rússia significará menos globalização, mais fragmentação em todo o mundo”.

Além de petróleo e gás, a Rússia é um dos maiores fornecedores mundiais de metais. Atualmente, governos e grandes corporações que impuseram sanções à Rússia estão agora lutando para obter suprimentos alternativos. A oferta, por sua vez, está diminuindo, resultando em dramáticas oscilações ascendentes de preços e custos que são repassados aos consumidores.

A pandemia, juntamente com as tensões geopolíticas com a China e uma batalha comercial EUA-China, já havia levado muitas empresas a trazer suas operações e insumos relevantes para mais perto de casa, incluindo algumas tentativas de reverter a terceirização da fabricação.

A interdependência, no entanto, é tão grande e tão arraigada que levará tanto tempo para desfazer a globalização quanto levou para construi-la – a menos que seja simplesmente forçada a se separar pela guerra.

Os semicondutores, que estão passando por um aperto de oferta em meio à demanda crescente, são um exemplo disso. Há dois anos, a indústria automobilística americana sofre com essa escassez e a dependência da Ásia não foi suficientemente abordada, com esforços em andamento para garantir o fornecimento doméstico.

Agora, a Intel, a maior fabricante de chips dos Estados Unidos, anunciou (apenas recentemente) que gastará US$ 20 bilhões para construir duas fábricas de semicondutores em casa, mas não iniciará a produção até 2025.

Várias montadoras e fabricantes de baterias também planejam fazer dezenas de novas fábricas de baterias para veículos elétricos nos Estados Unidos nos próximos cinco anos.

Anúncios semelhantes foram feitos recentemente nas indústrias de energia solar e biotecnologia.

Três décadas atrás, os EUA produziam cerca de 37% dos semicondutores do mundo, em comparação com 12% hoje em dia. O lucro atrapalhou o planejamento estratégico aqui. Custos baratos foram escolhidos em detrimento da independência, e esse é o sacrifício da globalização.

Fonte: Oilprice.com

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Kern
Nenhum artigo encontrado

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x