Siga a AEPET
logotipo_aepet

Coutinho: Proibição do Ibama vai contra o interesse nacional

Publicado em 06/06/2023
Compartilhe:
Felipe Coutinho vice-presidente da AEPET

"Há um caráter genocida em impedir que pessoas tenham condições dignas de vida."

Na entrevista que concedeu ao DCM TV, o vice-presidente da AEPET, Felipe Coutinho, ponderou que as limitações impostas pelo IBAMA à Petrobrás para pesquisas na nova fronteira exploratória na região da bacia da Foz do Amazonas, que integra a Margem Equatorial Brasileira, chegam a contrariar o interesse nacional, pois a atividade da Petrobrás não está próxima à região Amazônica - os poços estão a 160 km da costa do Amapá - e a estatal tem raros casos de vazamentos, mesmo assim de baixo impacto - clique aqui para ver.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

 

"A defesa do meio ambiente tem sido instrumentalizada em favor de interesses que não são os do desenvolvimento e da promoção de melhores condições de vida para pessoas, como as Guianas já vêm experimentando. O que se pretende é negar que existe relação entre o consumo de energia per capita e desenvolvimento humano. Há um caráter genocida em impedir que pessoas tenham condições dignas de vida", disse, acrescentando que o consumo per capita do brasileiro precisa quintuplicar para chegar ao nível do mundo desenvolvido.

"A energia que viabiliza o desenvolvimento tem que ser barata, confiável e soberana. Colocada em favor do desenvolvimento. Quem nega isso não está agindo em favor da preservação do interesse nacional, com responsabilidade tanto social quanto ecológica", afirmou Coutinho.

Quanto à segurança, o vice-presidente da AEPET lembrou que a maximização de lucros no curto prazo não é objetivo típico de uma estatal, como é o caso da Petrobrás, mas sim de multinacionais controladas pelo sistema financeiro, que minimizam seus investimentos em segurança e no futuro da própria empresa para priorizar o resultado de curto prazo.

"Atualmente, das 25 maiores empresas de petróleo, 19 são estatais. Entre as cinco maiores, quatro são estatais. E o movimento tem sido de perda proporcional das multinacionais controladas pelo sistema financeiro. A distribuição de dividendos desproporcional e insustentável está em contradição com o perfil esperado para as empresas estatais", frisou Coutinho, acrescentando que a prática recente da Petrobrás não é condizente com a lógica das estatais, mas sim com a do capital financeiro.

Observando que 85% do consumo da energia primária mundial é provido pelos combustíveis fósseis e assim deve continuar nas próximas décadas, Coutinho afirmou que o Brasil não pode abrir mão da vantagem comparativa de já possuir matriz energética limpa devido à participação das hidrelétricas em detrimento do próprio desenvolvimento.

"O que pode fazer o país se desenvolver são os produtos de maior valor agregado, conteúdo nacional alto e empregos qualificados. Mas precisa um projeto soberano de desenvolvimento. O capital financeiro não vai gostar, mas sem enfrentar os interesses antinacionais seremos sempre um país com potenciais nunca realizados", resumiu.

Clique aqui para assistir a entrevista na íntegra

Clique aqui para ver o trecho: O que está por trás da proibição de perfuração na Margem Equatorial?

Veja o trecho sobre a baixa incidência de vazamentos  clicando aqui

Jornalismo AEPET
Compartilhe:
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

06/12/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x