Siga a AEPET
logotipo_aepet

A verdadeira razão para os cortes na produção de petróleo da Arábia Saudita

Tudo sugere que a procura de petróleo é bastante resiliente – uma observação que não surpreenderia ninguém que tenha uma compreensão básica dos mercados energéticos –

Publicado em 25/09/2023
Compartilhe:
Saudi Aramco
Foto: Site Aramco

"Não se trata de... aumentar os preços, trata-se de tomar decisões corretas quando temos os dados", disse o ministro da energia saudita, Abdulaziz bin Salman, esta semana, comentando a decisão do Reino e da Rússia de estender os cortes na produção de petróleo, implementado pela primeira vez em julho.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Naturalmente, quando isso aconteceu, todos pensaram que era uma questão de preços. O orçamento saudita precisa de preços superiores a 70 dólares por barril de petróleo Brent. Precisa disso porque o Príncipe Herdeiro do Reino tem planos ambiciosos de despesas públicas destinados a reduzir a dependência da Arábia Saudita das receitas do petróleo.

Todos pensavam que esta era a motivação mais óbvia para os cortes, mas não segundo o próprio Bin Salman. Parece que o ministro da energia do maior produtor da OPEP partilha os receios de muitos comerciantes que mantiveram os preços do petróleo deprimidos durante a maior parte do primeiro semestre do ano.

“O júri ainda não decidiu o que acontecerá à Europa em termos de crescimento”, disse Bin Salman no Congresso Mundial do Petróleo em Calgary, Canadá, citado pelo Financial Times.

"O júri ainda não decidiu sobre o que os bancos centrais farão em termos de taxas de juros adicionais.  O júri ainda não decidiu sobre como a economia dos EUA se sairá no contexto do que está acontecendo globalmente."

Por outras palavras, tal como muitos analistas que citam preocupação atrás de preocupação com a demanda nos últimos oito meses, o ministro da Energia da Arábia Saudita está preocupado com o lado da demanda na equação do petróleo.

O mesmo acontece com a Agência Internacional de Energia. Só que está preocupada com a possibilidade de não haver oferta suficiente para satisfazer o que considera uma demanda acelerada. O fato desta aceleração deve ser uma desilusão para a AIE, que recentemente previu que o pico da procura de petróleo ocorreria antes de 2030 e há dois anos disse que o mundo não precisava de mais novas explorações de petróleo e gás além de 2021.

“É sempre melhor seguir meu lema, que é: 'Acredito quando vejo'. Quando a realidade chegar como foi previsto, Aleluia, poderemos produzir mais”, disse Bin Salman também no evento do setor.

Na verdade, seria difícil argumentar com o responsável que as previsões da oferta e da demanda nem sempre são precisas. Basta recordar todas as projeções de um enorme crescimento econômico chinês este ano, que poderia ter alimentado preços mais elevados no início do ano.

No entanto, embora a procura por petróleo chinesa tenha batido recorde após recorde, o mercado estava concentrado nos indicadores econômicos do país, que mantiveram os preços sob controlo durante meses, acabando por levar os sauditas e os russos a agirem de forma mais decisiva.

Seria difícil argumentar que alguns dos maiores mercados de petróleo, como a Europa e os Estados Unidos, têm tropeçado no caminho da recuperação pós-pandemia, especialmente desde o ano passado, ambos se comprometeram com a participação indireta na guerra da Ucrânia. No entanto, esse tropeço não afetou realmente a procura de petróleo – algo que tanto Bin Salman como os analistas de mercado deveriam saber.

Parece que também não se vê uma corrida às alternativas petrolíferas. Embora as vendas de veículos elétricos estejam a aumentar tanto nos Estados Unidos como na Europa, a procura de petróleo em ambos os mercados fez o oposto de uma queda. Na verdade, a União Europeia continuou a ser um forte comprador de hidrocarbonetos russos, apesar das sanções e do embargo petrolífero.

Tudo isto sugere que a procura de petróleo é bastante resiliente – uma observação que não surpreenderia ninguém que tenha uma compreensão básica dos mercados energéticos – e que o ministro da Energia da Arábia Saudita não tem realmente qualquer motivo de preocupação a este respeito.
Contudo, num contexto repleto de projeções de que o petróleo e o gás estão em vias de extinção devido à transição, a abordagem saudita poderá ser antecipatória. Se a procura de petróleo estiver prestes a atingir o pico em breve, é melhor que os grandes produtores tirem o melhor partido dos seus recursos agora mesmo, antes que o pico chegue. Seria difícil para alguém contestar isso por qualquer motivo razoável.

Dito isto, Bin Salman apelou à AIE pelas suas previsões do pico da procura de petróleo e "do crescimento espectacular de tecnologias de energia limpa, como painéis solares e veículos elétricos". A agência, disse ele, citado pela Reuters, "deixou de ser uma previsora e avaliadora do mercado para se tornar uma praticante de defesa política".

Quando um antigo analista se torna um defensor, a credibilidade das suas previsões despenca. No entanto, muitos continuam a utilizar estas previsões para tomar decisões que podem afetar as tendências da procura de petróleo. O exemplo mais óbvio é a corrida aos subsídios na Europa e nos EUA que está alimentando a mudança do petróleo e do gás para alternativas. Esta corrida também envolve desencorajar o uso de petróleo e gás através de impostos.

Esta corrida baseia-se em previsões, inclusive da AIE, de que a energia eólica e solar – como fontes de eletricidade, incluindo como “combustível” de automóvel – são alternativas comparáveis ao petróleo e ao gás. E os investidores tomam decisões sobre onde colocar o seu dinheiro com base nestas previsões.

Não admira que o CEO da Aramco também tenha reagido à AIE, alertando que "Precisamos de investir [em petróleo e gás], caso contrário, a médio e longo prazo teremos outra crise e retrocederemos em termos de utilização de mais e mais carvão e outros produtos baratos que estão disponíveis hoje."

Também não é de admirar que, num tal ambiente político, o ministro da Energia da Arábia Saudita prefira agir pelo seguro, especialmente se a tributação do carbono sobre a população em geral se espalhar, minando a procura de petróleo de forma mais eficaz.

Fonte(s) / Referência(s):

Irina Slav
Compartilhe:
guest
5 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

06/12/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

5
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x