Siga a AEPET
logotipo_aepet

Conclusão de seção-chave do gasoduto China–Rússia permite levar gás a Xangai

Europa sofre com falta de gás e pode ver teto ao preço do petróleo levar a novos aumentos

Publicado em 07/12/2022
Compartilhe:

Uma seção do projeto de gasoduto da rota leste China–Rússia foi concluída, permitindo que o gás natural russo seja transportado para Xangai. Com uma extensão total de 5.111km, o gasoduto transfronteiriço entra na China através da cidade de Heihe, província de Heilongjiang, e atravessa nove regiões provinciais, fornecendo gás natural para áreas ao longo da rota, incluindo Pequim, Xangai e Tianjin, disse a construtora PipeChina.

Até 2025, o gasoduto deverá fornecer 38 bilhões de metros cúbicos de gás natural anualmente, o equivalente a reduzir as emissões de dióxido de carbono em 164 milhões de toneladas por ano, segundo a empresa.

Enquanto isso, a Europa sofre com as sanções impostas pelos Estados Unidos ao gás e petróleo da Rússia. Um teto unilateral para o preço do petróleo russo acordado pela União Europeia (UE), as nações do G7 e a Austrália entrou em vigor na última segunda-feira.

A eficácia da medida depende em grande parte da resposta do mercado, analisam especialistas. No entanto, com a oposição da Rússia, o limite de preço pode desencadear uma instabilidade crescente no mercado, desacelerando a produção de petróleo e exacerbando a crise energética e a inflação crescente na Europa, disseram fontes ouvidas pela agência de notícias Xinhua.

A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo bruto do mundo, depois da Arábia Saudita. O Commerzbank, com sede na Alemanha, previu recentemente que o limite de preço combinado com a proibição da UE de importar petróleo bruto marítimo da Rússia poderia levar a um "aperto no mercado de petróleo no início de 2023" e que o preço do petróleo Brent poderia voltar a US$ 95 por barril.

No entanto, o impacto imediato foi limitado. Os contratos futuros de petróleo bruto subiram e depois recuaram nas negociações extraordinariamente movimentadas de segunda-feira, e terminaram o dia mais ou menos empatados com o fechamento de sexta-feira. Durante o dia chegaram a atingir US$ 82,64, mas caíram para US$ 78,61 no final da segunda-feira. Nesta quarta-feira, o barril do WTI para janeiro de 2023, negociado na New York Mercantile Exchange, fechou a US$ 72,01.

O preço máximo proíbe os países participantes de fornecer os serviços que permitem que o petróleo russo seja enviado por via marítima, como seguros e finanças. O objetivo é reduzir as receitas que a Rússia obtém do petróleo e estabilizar os preços globais da energia, disse a Comissão Europeia. Um novo limite para produtos petrolíferos refinados deve entrar em vigor em 5 de fevereiro de 2023.

Fonte: Monitor Mercantil

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.
Jornalismo AEPET
Compartilhe:
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x