Siga a AEPET
logotipo_aepet

FUP: Petrobrás terá que pagar R$ 20 bilhões à Petros

Petroleiros estão em campanha para eleição dos conselhos Deliberativo e Fiscal da Petros, que ocorrerá entre os dias 29 de setembro e 9 de outubro

Publicado em 24/08/2023
Compartilhe:

A Federação Única dos Petroleiros (FUP), a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), AEPET e outras entidades representantes dos petroleiros fizeram nesta terça-feira, 23, mais uma manifestação em frente à sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, para reivindicar o pagamento de cerca de R$ 20 bilhões pela estatal ao fundo de pensão Petros, além de maior representatividade dos petroleiros da fundação.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Os petroleiros estão em campanha para eleição dos conselhos Deliberativo e Fiscal da Petros, que ocorrerá entre os dias 29 de setembro e 9 de outubro. O Conselho Deliberativo, órgão máximo da Petros, é responsável pela aprovação da política geral de administração da Fundação e de seus planos. A Fup e a FNP se uniram no pleito, em defesa das aposentadorias, com a chapa “Unidos pelo Futuro da Petros”.

Segundo a Fup, os programas de equacionamento de déficit penalizam os trabalhadores e aposentados, e é de responsabilidade da estatal quitar a dívida.

“A Petrobras tem de pagar essa conta, que é dela. Os aposentados não suportam mais. Tá na hora de resolver. A categoria espera que a direção da Petrobras tome uma decisão política, econômica e financeira que liberte todos nós dessa cobrança absurda e injusta”, disse em nota o diretor do Sindipetro-Bahia, Radiovaldo Costa.

Segundo o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, o foco central do ato realizado hoje, e que reuniu petroleiros de todas as regiões do País, foi pressionar a Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) para que a estatal continue as mudanças no conselho deliberativo da Petros.

“Ainda tem pessoas indicadas que estão no conselho e não ajudam no processo de negociação com entidades sindicais a respeito do déficit da Petros. É necessária essa mudança para que a Petrobras, que deve à Fundação em torno de R$ 20 bilhões, possa sanar esse déficit a partir de um grande acordo que precisa ser feito, principalmente com a FUP, que tem uma ação judicial desde 2001”, explicou o sindicalista.

Este foi o segundo ato nacional dos petroleiros, este ano, em defesa dos participantes da Petros. A categoria defende mudanças na gestão da Petros, e reivindica que a diretoria da Fundação seja 50% eleita pelos trabalhadores, a fim de que tenham gestão sobre o que é feito no fundo de pensão, que é o segundo maior do País. Atualmente, a gestão é formada apenas por indicação.

O coordenador-geral do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), Tezeu Bezerra, criticou a gestão de Jair Bolsonaro. “Esse ato é um chute final que os petroleiros querem dar na gestão bolsonarista que ainda insiste em permanecer na Petrobras. Estamos aqui para dar um basta nisso e lembrar que ainda tem bolsonarista tentando se eleger no Conselho da Petros”, afirmou.

Com informações Infomoney

Jornalismo AEPET
Compartilhe:
guest
13 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

13
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x