Siga a AEPET
logotipo_aepet

OPEP afirma que a porta está aberta para o Brasil ingressar no grupo

A AEPET reitera sua posição contrária à exportação de petróleo cru pelo Brasil e a importação de derivados

Publicado em 07/11/2023
Compartilhe:
OPEP

Secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) afirmou em conferência na Europa que a entidade está de portas abertas à entrada do Brasil como membro do grupo. A informação é do site Oilprice.com

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

A AEPET reitera sua posição contrária à exportação de petróleo cru pelo Brasil e a importação de derivados, pois trata-se de uma relação internacional do tipo colonial, onde se exporta produtos primários e importa produtos industrializados de maior valor agregado.

A posição da AEPET é argumentada no artigo “Exportação de petróleo cru é recorde, Lula conduz o Brasil na rota colonial pavimentada por Temer e Bolsonaro”, de Felipe Coutinho, vice-presidente da Associação.

Leia abaixo a reportagem da Oilprice.com, escrita por Julianne Geiger:

A porta da OPEP está aberta caso o Brasil deseje juntar-se ao grupo exportador de petróleo, disse o secretário-geral da OPEP, HE Haitham al-Ghais, na Argus European Crude Conference desta semana.

“Hoje o Brasil se tornou um dos maiores exportadores e parou de comprar petróleo. Portanto, a porta está aberta”, disse al-Ghais.

Para a OPEP, faz sentido trazer o Brasil para o grupo, com a sua produção de petróleo e gás atingindo níveis recordes: em julho foram 4,48 milhões de boe/d. A produção de petróleo cresceu 18,6% ano a ano, segundo dados da ANP, atingindo 3,51 milhões de bpd. Segundo Wood Mackenzie, espera-se que as empresas petrolíferas privadas do Brasil aumentem a produção em 75% até 2030. Espera-se que a estatal Petrobrás aumente a produção em 81% dentro do mesmo prazo, e a Petrobrás disse que está disposta a investir US$ 78 bilhões entre 2022-2026 para aumentar a sua produção.

A rápida ascensão do Brasil na indústria petrolífera para se tornar um exportador significativo não o torna apenas um pedaço tentador para a OPEP, mas a sua falta de adesão pode representar uma ameaça para o grupo, com os principais produtores compensando parte do poder da OPEP para manter os mercados petrolíferos em equilíbrio .

Contudo, foram poucos os benefícios cogitados para o Brasil ao aderir à OPEP.

No início de janeiro de 2020, o ministro da Energia do Brasil, Bento Albuquerque, recusou-se a aderir à OPEP. “A ideia é apenas aumentar a nossa produção e participar mais no mercado internacional de petróleo e gás”, disse na altura. “Mas este não é um plano para o Brasil aderir à OPEP ou a qualquer outra associação ou grupo de produtores de petróleo e gás. Não queremos restrições, queremos aumentar a nossa produção.”

O único benefício seria que a adesão do Brasil à OPEP acrescentaria força ao grupo e tornaria mais fácil controlar o mercado – e o Brasil passaria então a fazer parte desse forte grupo.

Alex Prado
Compartilhe:
guest
8 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

06/12/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

8
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x