Siga a AEPET
logotipo_aepet

Brasil pretende desafiar o domínio da China em minerais de terras raras

Mas são investimentos dos EUA e da Austrália que comandam o processo

Publicado em 19/06/2024
Compartilhe:

Estima-se que o Brasil possua a terceira maior reserva mundial de terras raras, os minerais críticos vitais para a tecnologia moderna e a transição energética.

A indústria brasileira de mineração de terras raras acaba de começar, apesar de o país ser um importante local de mineração há décadas.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Regulamentações estabelecidas para a indústria mineradora e custos trabalhistas mais baixos em comparação com a Austrália ou os EUA poderiam dar ao Brasil uma vantagem competitiva na corrida para desafiar o domínio sobre dimensionado da China na produção e processamento de terras raras.

A indústria brasileira de terras raras está sendo desenvolvida por empresas brasileiras e australianas, com apoio financeiro dos EUA para alguns projetos. No entanto, a queda nos preços das terras raras está travando os investimentos e as empresas estão com dificuldades em obter financiamento.

Mesmo assim, as empresas brasileiras perseveraram e lançaram no início deste ano um projeto de produção de terras raras no país. O governo brasileiro também procura apoiar a indústria na esperança de que o Brasil possa explorar com sucesso os seus vastos recursos e tornar-se um dos principais produtores de elementos de terras raras (REE) a nível mundial.

Enormes recursos, baixos custos

Estima-se que o Brasil possua 21 milhões de toneladas equivalentes de óxido de terras raras (REO), de acordo com o Serviço Geológico dos EUA. São os terceiros maiores depósitos do mundo, atrás dos 44 milhões de toneladas da China e dos 22 milhões de toneladas de equivalente REO do Vietnã. Em 2023, a produção brasileira de elementos de terras raras era de insignificantes 80 toneladas, em comparação com as 240 mil toneladas da China e as 43 mil toneladas dos EUA no ano passado.

Os mineradores locais também procuram um lugar na corrida para desafiar o domínio da China no setor.

“Penso que, fora da China, os projetos do Brasil são os projetos mais econômicos disponíveis”, disse recentemente à Reuters Daniel Morgan, do banco de investimento Barrenjoey, em Sydney.

Os custos trabalhistas no Brasil são muito mais baixos do que na Austrália ou nos EUA, enquanto o país tem décadas de experiência na regulamentação da indústria de mineração.

Os esforços do ano passado produziram resultados no início de 2024, quando a Serra Verde iniciou a produção comercial de Concentrado Misto de Terras Raras da Fase I de seu depósito Pela Ema em Minaçu (Goías). Assim que atingir a produção plena, a Serra Verde deverá produzir pelo menos 5.000 toneladas por ano de óxido de terras raras usado na fabricação de ímãs permanentes de alta eficiência necessários para motores de veículos elétricos e geradores de turbinas eólicas.

“Somos agora a única empresa fora da Ásia a produzir em escala todas as quatro terras raras críticas usadas na produção de ímãs permanentes”, disse o CEO da Serra Verde, Thras Moraitis, em janeiro.

A Serra Verde já possui acordos de com empresas processadoras para grande parte da produção planejada. O projeto também apresenta menor impacto ambiental – o fornecimento de eletricidade é inteiramente proveniente de fontes renováveis e a operação ocorre num distrito minerador estabelecido com acesso a competências técnicas e infraestruturas rodoviárias e portuárias desenvolvidas.

Regiões de mineração industrial legais, mão de obra qualificada e de baixo custo e acesso à energia hidrelétrica para operações tornam o Brasil um destino atraente para mineradores de REE.

A magnata da mineração e mulher mais rica da Austrália, Gina Rinehart, é acionista da brasileira Rare Earths, que acaba de concluir um investimento de US$ 53 milhões (AUS$ 80 milhões) para acelerar a exploração e o desenvolvimento nos projetos de terras raras Monte Alto, Sulista e Pelé.

A Meteoric Resources da Austrália planeja o projeto Caldeira REE no Brasil, com o objetivo de iniciar a produção de terras raras em 2027. A empresa está em negociações para um financiamento de US$ 250 milhões do Banco de Exportação/Importação dos Estados Unidos para o projeto.

O CEO da Meteoric Resources, Nick Holthouse, disse em março, quando a empresa anunciou o potencial financiamento nos EUA:

“Nos últimos anos, tem havido uma maior conscientização sobre as deficiências nas cadeias de abastecimento ocidentais para a mineração de terras raras e o processamento. A Meteoric, através do Projecto Caldeira e do apoio do Banco EXIM, pretende desempenhar um papel na reconstrução de uma cadeia de abastecimento de terras raras independente e verticalmente integrada em escala.”

Longo caminho para a diversificação fora da China

Apesar do aumento dos planos de projetos, o financiamento para investimentos não está facilmente disponível.

“Conseguir dinheiro no momento é difícil”, disse Holthouse, da Meteoric, à Reuters.

A recente queda no preço de minerais críticos e elementos de terras raras afetou os investimentos em novos fornecimentos, afirmou a Agência Internacional de Energia (AIE) no seu Global Critical Minerals Outlook 2024 no mês passado.

Embora os preços mais baixos dos minerais essenciais no ano passado tenham sido boas notícias para os consumidores e para a acessibilidade, também representaram um obstáculo para novos investimentos, cujo crescimento abrandou em 2023 em comparação com 2022, observou a AIE.
“A queda dos preços também torna os gastos para garantir um abastecimento confiável e diversificado menos atraentes para os investidores”, reconhece a agência que defende uma transição energética rápida.

A AIE também afirmou que o progresso na diversificação da oferta tem sido limitado, com a China dominando a produção e o processamento de terras raras, tal como acontece com muitos outros minerais críticos.

“Estes elevados níveis de concentração da oferta representam um risco para a velocidade das transições energéticas, pois tornam as cadeias e rotas de abastecimento mais vulneráveis a perturbações, seja devido a condições meteorológicas extremas, disputas comerciais ou geopolíticas”, afirmou a AIE.

O Brasil tem todas as condições para ser um grande fornecedor de terras raras, mas as empresas que planejam projetos lá ainda precisam garantir financiamento para seus empreendimentos.

Fonte(s) / Referência(s):

Tvestana Paraskova
Compartilhe:
guest
4 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

4
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x