Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_felipe_coutinho
Felipe Coutinho
Engenheiro químico e vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)

O fim do Preço Paritário de Importação (PPI) é mais uma farsa

Depois de seis meses da Petrobrás sob Lula, a estatal continua praticando preços equivalentes ou superiores aos paritários de importação

Publicado em 02/07/2023
Compartilhe:

No dia 16 de maio de 2023, a direção da Petrobrás divulgou Fato Relevante [1] sobre sua estratégia comercial para o Diesel e a Gasolina, nele registra a substituição da política de preços praticada por suas refinarias.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

No mesmo dia anunciou a redução dos preços da gasolina e do diesel, valores pagos pelas distribuidoras. [2]

No artigo “Prates anuncia fim do Preço Paritário de Importação (PPI), mas ajusta preço do Diesel ao PPI” [3] demonstrei que esse reajuste apenas reduziu o sobrepreço do Diesel S10 vendido pela Petrobrás na comparação com a estimativa do seu PPI. Em 3 de maio de 2023, o preço estava 14,3% superior ao PPI, com o reajuste o preço praticado no dia 17 de maio de 2023 ficou muito próximo do PPI.

Hoje, depois de seis meses da Petrobrás sob o governo Lula, podemos mais uma vez verificar se o “fim do PPI” é apenas retórico ou é real.

Em 30 de junho de 2023, o preço do Diesel S10, vendido pela Petrobrás em Paulínia (SP), estava em 3.075,70 R$/m³ (o equivalente a 3,08 R$/litro). [4]

A estimativa do PPI, a partir dos preços do petróleo e da cotação do dólar no fechamento do mercado no mesmo dia, é de 2.976,65 R$/m³ do Diesel. O preço da Petrobrás em Paulínia (SP) está maior que o PPI.

A Figura 1 apresenta a variação relativa dos preços praticados pela Petrobrás e a estimativa do PPI para o Diesel S10.

Figura 1 : Diferença relativa do preço do Diesel S10 praticado pela Petrobrás em Paulínia (SP) e a estimativa para o Preço Paritário de Importação (PPI)

Observa-se que desde o anúncio do “fim do PPI”, em 16 de maio de 2023, o reajuste apenas reduziu o sobrepreço do Diesel S10 vendido pela Petrobrás na comparação com a estimativa do seu PPI. Em 3 de maio de 2023, o preço do diesel estava 14,3% superior ao PPI, no final de junho ainda estava 3,2% superior a ele.

A Figura 2 apresenta a razão entre o preço do Diesel S10, vendido pela Petrobrás em Paulínia (SP), e o preço do petróleo do tipo Brent.

Figura 2 : Razão entre o preço do Diesel S10 e o preço do petróleo Brent

Desde outubro de 2016, a direção da Petrobrás anunciou a adoção da inédita política de Preços Paritários de Importação (PPI).

No período apresentado na Figura 2, entre agosto de 2019 e abril de 2023, a direção da Petrobrás praticou o PPI, em 16 de maio anunciou o seu fim.

A despeito do anúncio do fim do PPI, o preço relativo do Diesel, em 30 de junho de 2023 foi de 1,36 vezes o preço do petróleo Brent. Sendo que o médio, entre agosto de 2019 e abril de 2023, período de vigência declarada do PPI, foi de 1,39 vezes. O declarado “fim do PPI” praticamente não alterou o preço do Diesel, em relação ao preço do petróleo no mercado internacional.

Apesar do festejado anúncio do fim do PPI que nossa Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET) recebeu com esperança e ressalvas, o sincrônico anúncio da redução do preço do Diesel apenas o ajustou ao próprio PPI. Depois de seis meses da Petrobrás sob Lula, a estatal continua praticando preços equivalentes ou superiores aos paritários de importação.

Reitero aqui a conclusão do citado artigo anterior.

A AEPET acredita que a Petrobrás pode praticar preços inferiores aos paritários de importação (PPI) e obter excelentes resultados empresariais, com a recuperação da sua participação no mercado brasileiro e a maior utilização da sua capacidade instalada de refino.

Somente a Petrobrás consegue suprir o mercado doméstico de derivados com preços abaixo do paritário de importação e, ainda assim, obter resultados compatíveis com a indústria internacional e sustentar elevados investimentos que contribuem para o desenvolvimento nacional.

A Petrobrás deve abastecer o mercado brasileiro aos menores custos possíveis e garantir sua sustentabilidade empresarial, ao assegurar que suas margens operacionais sejam compatíveis com a indústria internacional, com alta capacidade de investimento e resiliente à variação do preço do petróleo.

Vamos acompanhar a nova política de preços para avaliar se será justa e competitiva, e dessa forma contribuirá com o crescimento e o desenvolvimento brasileiros. [5]

Por enquanto, depois de seis meses do governo Lula, não foi isso que aconteceu.

* Felipe Coutinho é engenheiro químico e vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)

Julho de 2023

www.aepet.org.br
felipecoutinho21.wordpress.com

Referências

[1] Petrobras, “Petrobras sobre estratégia comercial de diesel e gasolina,” 2023.
[2] Agência Brasil, “Petrobras reduz em R$ 0,44 valor do diesel e em R$ 0,40 o da gasolina,”
2023.
[3] F. Coutinho, “Prates anuncia fim do Preço Paritário de Importação (PPI), mas ajusta preço
do Diesel ao PPI”.
[4] Petrobrás, “Tudo o que você precisa saber sobre os preços dos combustíveis”.
[5] AEPET, “Nota sobre a substituição do PPI pela Petrobrás,” 2023

guest
10 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Felipe Coutinho

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

10
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x