Siga a AEPET
logotipo_aepet

Lobby dos combustíveis subverte lei do mercado

Preços dos combustíveis livres para subir, mas não para descer; valor do diesel está acima do internacional

Publicado em 09/07/2024
Compartilhe:
combustíveis
Foto: Fernando Frazão - Agência Brasil

Nos últimos dias, cresceu a pressão de importadores de combustíveis e refinarias privadas por um aumento nos preços da gasolina e do diesel, com grande participação da nossa imprensa dita imparcial. A Petrobrás acabou aprovando uma elevação no valor da gasolina e do gás natural, mas manteve o do diesel. A pressão se baseia no PPI, preço de paridade de importação, herança dos governos Temer e Bolsonaro que pesa nos bolsos dos motoristas brasileiros. Há 2 questões nos preços dos combustíveis. Uma é a incapacidade de concorrência das refinarias e importadores privados. Uma estranha aplicação da lei do mercado, em que os preços sobem quando há alta no exterior, mas não descem quando há redução lá fora.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

O lobby privado se baseia no cálculo do PPI pela Abicom, associação que representa os importadores. Apesar de ser parte interessada nos aumentos, é tratada pela mídia como se fosse uma fonte acima de qualquer questionamento. Para a Abicom, havia, antes do aumento desta segunda-feira, defasagem de R$ 0,67 no litro da gasolina e de R$ 0,73 no do diesel.

Outra fonte é o Rastreador de Preços de Combustíveis da Genial Investimentos; haveria, em 1º de julho, deságio de 18,2% na gasolina (R$ 0,53) e de 8,7% no diesel (R$ 0,32). Mas os preços são dinâmicos: em 17 de junho, a Genial indicava deságio de 9,4% na gasolina (R$ 0,30/litro, quase metade do que apontaria 2 semanas depois) e ágio de 1,6% no diesel (R$ 0,06/litro) versus a paridade de preços do mercado internacional.

Qual o sentido de basear os preços em um parâmetro curto, se são tão voláteis? E aí vem a segunda questão: por que o Brasil, com forte extração de petróleo, com custo de produção de diesel, na refinaria, abaixo de R$ 1,10, precisa vender o óleo por um valor na casa de R$ 3?

Na Bolívia, que não tem petróleo e nem refinarias, o diesel custa nas bombas, o equivalente a R$ 2,50; aqui sai, em média, a R$ 5,94.

Fonte(s) / Referência(s):

Marcos de Oliveira
Compartilhe:
guest
11 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Continue Lendo

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

11
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x