Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_michael_roberts
Michael Roberts

A grande divergência

Existem dois fatores na desigualdade global: a desigualdade entre as rendas nacionais per capita e a desigualdade de renda das pessoas dentro das nações

Publicado em 11/07/2023
Compartilhe:

Branco Milanovic, ex-economista-chefe do Banco Mundial, tornou-se o principal analista da desigualdade global. Começando com seu livro, Worlds Apart em 2005, ele documentou tendências na desigualdade global de renda (não tanto da riqueza) desde a revolução industrial e desde que o capitalismo se tornou o modo de produção dominante globalmente.

Nesse livro, ele calculou que a desigualdade global de renda (e riqueza) era '20:80' (ou seja, 80% da população mundial de 6,6 bilhões na época poderia ser classificada como pobre) e a situação estava piorando, não melhorando, mesmo se você levar em conta os então florescentes chamados BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China).

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Naquela época, ele apresentou as mudanças na renda real para pessoas globalmente em vários percentuais de distribuição de renda e produziu o que ficou conhecido como o “gráfico do elefante” – ou seja, que as grandes melhorias nos níveis de renda foram encontradas na faixa intermediária de renda, enquanto os muito pobres e aqueles nas faixas de renda mais altas (exceto os extremamente ricos) realmente perderam terreno.

Isso sugeriu a muitos que a desigualdade global estava caindo porque os assalariados de renda média em todo o mundo haviam ganhado. Houve uma grande convergência, não divergência.

Mas o gráfico do elefante escondia a realidade. Esse próspero grupo de renda média deveu-se quase inteiramente à China. A economia chinesa tirou mais de 900 milhões de chineses da extrema pobreza em apenas três décadas e a renda média disparou, principalmente nas últimas duas décadas. Se você retirar a China, o gráfico do elefante colapsa. Nem o resto da Ásia nem a Índia conseguiram tal melhoria na renda média. Havia também muitas outras razões para ser cético em relação ao gráfico do elefante e as conclusões que você pode tirar dele – leia minhas postagens sobre isso aqui.

Mas agora Milanovic atualizou suas estimativas de desigualdade global em um novo estudo. Alguns jornalistas encabeçaram os resultados como “O mundo é o mais igualitário em mais de um século”. Parece ótimo – mas, novamente, o diabo está nos detalhes.

Existem dois fatores na desigualdade global: a desigualdade entre as rendas nacionais per capita e a desigualdade de renda das pessoas dentro das nações. Em trabalhos anteriores, Milanovic argumentou que o primeiro é mais importante na desigualdade global geral para os indivíduos do que o último. Portanto, onde você mora é mais importante do que sua renda naquele país em comparação com os mais ricos de lá.

Em seu último trabalho, Milanovic reestima a desigualdade global entre 1820 e 1980, reavalia os resultados até 2013 e apresenta novas estimativas de desigualdade para 2018. Ele conclui que, historicamente, a desigualdade global seguiu três eras: a primeira, de 1820 até 1950, caracterizado pelo aumento das diferenças de renda entre os países e aumento das desigualdades dentro do país; a segunda, de 1950 até a última década do século XX, com altíssima desigualdade global e entre países; e a atual de diminuição da desigualdade graças ao aumento da renda asiática, especialmente chinesa.

De acordo com Milanovic, desde o advento da Revolução Industrial no início do século XIX até meados do século XX, a desigualdade global aumentou à medida que a riqueza se concentrou nos países ocidentais industrializados. Ela atingiu o pico durante a Guerra Fria, quando o globo era comumente dividido em “Primeiro Mundo”, “Segundo Mundo” e “Terceiro Mundo”, denotando três níveis de desenvolvimento econômico. Mas então, cerca de 20 anos atrás, a desigualdade global começou a cair, em grande parte graças à ascensão econômica da China, que até recentemente era o país mais populoso do mundo. A desigualdade global atingiu seu auge no índice de Gini de 69,4 em 1988. Caiu para 60,1 em 2018, nível não visto desde o final do século XIX.

A primeira era da desigualdade global estendeu-se de aproximadamente 1820 a 1950, um período caracterizado pelo aumento constante da desigualdade. Na época da Revolução Industrial (aproximadamente 1820), a desigualdade global era bastante modesta. O PIB do país mais rico (Reino Unido) era cinco vezes maior que o do país mais pobre (Nepal) em 1820. (A proporção equivalente entre os PIBs dos países mais ricos e mais pobres hoje é de mais de 100 para 1.)

O crescimento da desigualdade global durante o século XIX e a primeira metade do século XX foi impulsionado tanto pela ampliação das lacunas entre vários países (medidas pelas diferenças em seus PIBs per capita) quanto por maiores desigualdades dentro dos países (medidas pelas diferenças de cidadãos). As diferenças de país para país refletiram o que os historiadores econômicos chamaram de Grande Divergência, a crescente disparidade entre, de um lado, os países em industrialização da Europa Ocidental, América do Norte e, mais tarde, Japão e, de outro lado, China, Índia, subcontinente africano, Oriente Médio e América Latina, onde a renda per capita estagnou ou até diminuiu. Com efeito, esta foi uma medida quantitativa da dominação de um pequeno bloco de países imperialistas sobre o resto.

Mas Milanovic acha que a desigualdade global começou a cair cerca de duas décadas atrás. Caiu de 70 pontos de Gini por volta do ano 2000 para 60 pontos de Gini duas décadas depois. Essa diminuição da desigualdade global, que ocorreu no curto espaço de 20 anos, é mais vertiginosa do que foi o aumento da desigualdade global durante o século XIX.

Isso significa que o capitalismo está conseguindo reduzir a desigualdade e agora há uma grande convergência? Não, porque a queda é impulsionada pelo crescimento da renda de apenas um país: a China. E ao mesmo tempo que o rápido crescimento da China reduziu o índice geral de desigualdade global; dentro das economias, a desigualdade aumentou em quase todas as principais economias.

Além disso, os detentores de renda mais ricos do mundo continuam vivendo no bloco imperialista. Em 1988, 207 milhões de pessoas compunham os cinco por cento mais ricos do mundo; em 2018, esse número era de 330 milhões, refletindo tanto o aumento da população mundial quanto a ampliação dos dados disponíveis. Os americanos compõem a maioria desse grupo. Em 1988 e 2018, mais de 40% dos ricos globalmente eram cidadãos americanos. Cidadãos britânicos, japoneses e alemães vêm em seguida. No geral, os ocidentais (incluindo o Japão) representam quase 80% do grupo. Os chineses urbanos invadiram os ricos globalmente apenas mais recentemente. Mas sua participação ainda é pequena, passando de 1,6% em 2008 para 5,0% em 2018.

Depois de excluir a China dos dados, não houve nenhuma convergência global. Com a China tendo desocupado muitas das posições na parte inferior da distribuição, elas agora são preenchidas principalmente por famílias indianas mais pobres, que agora têm padrões de vida mais baixos do que suas contrapartes chinesas.

E no bloco imperialista, os grupos de renda mais baixa perderam terreno globalmente. As famílias italianas mais pobres estavam entre os 30% do topo da distribuição de renda mundial em 1988, mas agora apenas chegam à metade superior. É importante ressaltar que as classes médias em todos os países ricos agora caíram no ranking global. Esta é uma reorganização posicional de grandes proporções; observe o aumento na posição dos trabalhadores de baixa renda na China de 1988 a 2018 e o declínio na posição global dos percentuais inferiores na Itália e na Alemanha, e mesmo na Polônia, onde os 10% mais ricos também subiram significativamente.

O declínio também afetou os EUA, onde cerca de 30-40 por cento da distribuição está agora globalmente abaixo de 1988. Claro, os americanos mais ricos ainda estão no topo global.

A desigualdade global provavelmente não diminuirá mais a partir daqui. Isso porque o crescimento fenomenal da China pode ter diminuído um pouco a diferença de renda com os países imperialistas, mas ainda está muito atrás.

E a diferença de renda entre a China e a maioria dos outros países mais pobres aumentou porque estes últimos estão fazendo pouco ou nenhum progresso na redução da diferença com o bloco imperialista. Como Milanovic coloca: “Uma vez que tiramos a China de cena, o próximo motor da redução da desigualdade global é a Índia, mas o crescimento da Índia começou a estalar mesmo antes da crise financeira global”.

Além disso, o crescimento populacional mais rápido do mundo está na África. Portanto, para a desigualdade global cair com base na redução da diferença entre países ricos e pobres, a África deve começar a aumentar sua renda per capita em 6-7% ao ano. A África não tem chance de alcançar esse crescimento – pelo contrário, sua participação no PIB global é a mesma de 1980 e perdeu terreno na década de 2010.

Na verdade, é provável que a grande divergência seja retomada.

Fonte(s) / Referência(s):

guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Roberts
Publicado em 18/03/2024
Publicado em 22/11/2023
Publicado em 07/11/2023
Publicado em 19/10/2023
Publicado em 04/10/2023
Publicado em 06/09/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x