Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_michael_roberts
Michael Roberts

Israel: a destruição de um sonho

Os governos capitalistas de Israel não têm solução para o conflito interminável com o povo árabe sob a sua ocupação e próximo das suas fronteiras.

Publicado em 19/10/2023
Compartilhe:

Em março passado, Israel celebrou o seu 75º aniversário como Estado. A revista The Economist comentou: “Hoje Israel é extremamente rico, mais seguro do que tem sido durante a maior parte da sua história e democrático – isto é, se estivermos preparados para excluir os territórios que ocupa (sic!). Superou guerras, secas e pobreza com poucos recursos naturais além da coragem humana. É uma situação atípica no Médio Oriente, um centro de inovação e um vencedor da globalização.” Estas palavras parecem agora uma piada de mau gosto, dados os acontecimentos das últimas semanas, ou mesmo se olharmos para a história real do Estado israelita.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Essa história é a de imigrantes judeus que chegam à Palestina com o objetivo geral de estabelecer um estado de “refúgio seguro” para os judeus na sua “pátria” ao lado dos habitantes árabes existentes. Muitos destes sionistas sonhavam que Israel se tornasse um modelo de “sociedade socialista”, de propriedade comunitária e gerido através de comunas locais ou kibutzim, atuando como uma alternativa democrática ao governo dos xeques e generais nos estados árabes. A realidade é que, na prática, os imigrantes judeus que se estabeleceram na Palestina e estabeleceram um novo Estado “socialista” só o poderiam fazer através da remoção de centenas de milhares de árabes das suas casas e terras através da violência.

No entanto, através de uma combinação de imigração maciça (que duplicou a população judaica), enormes contribuições de investimento estrangeiro por parte de comunidades judaicas ricas e principalmente de capital americano, além da criação de uma forte força militar, a economia de Israel cresceu muito rapidamente a partir de 1948. Isto foi a “era de ouro” do capitalismo do pós-guerra, quando as taxas de lucro eram elevadas e o investimento igualmente forte. Assim foi possível inaugurar uma nova economia muito rapidamente. O PIB cresceu a uma taxa média anual de 10,4 por cento entre 1948-1972. O capital necessário para construir a economia israelita veio de transferências de ajuda e empréstimos dos EUA, de pagamentos de reparações alemães e da venda de títulos do Estado israelita no estrangeiro. A rentabilidade foi mantida elevada através do controle de preços e salários, evitando assim que os rendimentos reais dos trabalhadores aumentassem demasiado.

Mas então, tal como no resto das economias capitalistas avançadas, a rentabilidade do capital em Israel caiu drasticamente entre meados da década de 1960 e o início da década de 1980. Isto trouxe crises econômicas como parte da crise internacional de 1974-5 e 1980-2. Também trouxe uma nova guerra com os Estados Árabes em 1973. Neste ponto da história da economia israelita, é muito útil olhar para a rentabilidade do capital israelita a partir da década de 1960, conforme fornecida pela Base de Dados Mundial de Rentabilidade.

O gráfico mostra claramente a queda acentuada da rentabilidade para um nível mínimo na crise global de 1980-2. Entre 1973 e 1985, o crescimento do PIB diminuiu para cerca de 2% ao ano, sem qualquer aumento real na produção per capita. Ao mesmo tempo, a taxa de inflação saiu de controle, atingindo um máximo de 445% em 1984 e o déficit da balança de pagamentos com o resto do mundo atingiu níveis máximos.

O chamado estado socialista democrático de Israel tinha de desaparecer se os capitalistas de Israel quisessem prosperar. E assim, como em muitas outras economias capitalistas, os israelitas elegeram agora governos que visavam acabar com o “socialismo” e abrir a economia ao capital sem restrições, ao mesmo tempo que reduziam o estado de “bem-estar social” de Israel e o apoio a coletivos, como o kibutz. Israel entrou com força total na era neoliberal que durou globalmente durante as duas a três décadas seguintes.

Em 1983, a Bolsa de Valores de Tel Aviv entrou em colapso, estourando uma enorme bolha financeira que vinha crescendo há anos. O governo de direita do Likud culpou os bancos. Assumiu o Banco Hapoalim, que tinha controle direto e indireto sobre cerca de 770 empresas e controlava cerca de 35% da economia israelita, com o objetivo de privatizar todos estes ativos estatais. O Estado acabou vendendo os três principais bancos: Banco Hapoalim, Banco Leumi e Banco Discount para capitalistas privados. A indústria de telecomunicações e os portos foram privatizados.

Numa política de cópia carbono de Reagan nos EUA e Thatcher no Reino Unido, entre 1986-2000, 83 empresas estatais foram vendidas por um total de 8,7 bilhões de dólares. A companhia aérea nacional ELAL, a rede de telecomunicações Bezeq, todos os grandes bancos e os outros cinco grandes conglomerados foram todos vendidos a compradores selecionados pelo governo. Os compradores incluíam muitos dos mais ricos de Israel, combinados com judeus americanos endinheirados e outros conglomerados estrangeiros. Nenhuma dessas empresas foi listada privadamente para venda. Por exemplo, o governo vendeu a Israel Chemicals Ltd. à família Eisenberg através de um processo de licitação privado realizado entre 1993 e 1997.

Durante algum tempo, estas medidas ajudaram a aumentar a rentabilidade do capital israelita – no nosso gráfico de rentabilidade, houve uma duplicação da taxa de lucro entre 1982 e 2000. Mas o aumento da rentabilidade foi impulsionado principalmente por um novo influxo de imigrantes após o colapso da União Soviética e do Norte de África. A imigração barateou os custos laborais, ao mesmo tempo que se seguiu um período de aparente “trégua” com os árabes após os acordos de Oslo terem permitido fluxos ainda maiores de investimento estrangeiro.

Este foi o período da expansão das empresas “start-up de alta tecnologia” pelas quais Israel se tornou conhecido e da aparente integração da economia israelita numa economia mundial em rápida globalização. Apelidada de “Nação Start-Up”, Israel tem agora mais de 7.000 empresas start-up ativas.

Mas isso não durou. No século XXI, a economia capitalista de Israel enfrentou cada vez mais dificuldades, tal como muitas outras “economias emergentes”. A grande diferença, claro, é que na sua guerra perpétua com os estados árabes vizinhos, Israel tem sido totalmente apoiado pelos EUA e pelo capital ocidental. Assim, mesmo enfrentando conflitos permanentes com os seus vizinhos árabes e revoltas dos palestinos deslocados, tem sido capaz de sobreviver economicamente e de desenvolver uma força militar formidável.

Ironicamente, a imigração maciça da antiga União Soviética, a importação de trabalhadores estrangeiros e o rápido crescimento natural da população árabe local, tornaram Israel cada vez menos um “Estado Judeu” em termos populacionais e ainda relativamente pequeno, com pouco menos de 10 milhões de habitantes. Mas o impacto das políticas neoliberais e do abrandamento econômico não levou a uma mudança para a esquerda. O medo dos ataques árabes e o fracasso de qualquer oposição socialista alternativa eficaz levaram, em vez disso, ao surgimento de partidos políticos religiosos e étnicos. As cartas raciais e religiosas foram jogadas pelo capital israelita para evitar qualquer confronto sobre os seus fracassos econômicos e sociais.

As crises econômicas continuaram em intervalos regulares no século XXI. Em 2003, Netanyahu cortou benefícios sociais, privatizou mais empresas estatais, reduziu a taxa máxima do imposto sobre o rendimento, reduziu os serviços do setor público e impôs leis anti-sindicais. Seguiu-se a Grande Recessão de 2008-9 e depois a crise pandêmica de 2020, quando o PIB caiu 7%. O declínio econômico relativo da economia israelita é revelado pela taxa de crescimento real do PIB na Idade de Ouro, na crise de rentabilidade da década de 1970, no período neoliberal e agora na Longa Depressão da década de 2010 em diante.


Nos últimos dez anos, os Kibutz coletivos desapareceram rapidamente para serem substituídos por habitações suburbanas de alto padrão. O valor dos terrenos disparou com a especulação imobiliária. Tem havido uma erosão contínua no financiamento da saúde e de outros serviços públicos, o que levou a um aumento do custo privado da saúde e aumento das disparidades no acesso aos serviços entre aqueles que têm dinheiro e aqueles que não o têm.

O “sonho socialista” do antigo Estado israelita deu agora lugar à realidade capitalista. A diferença entre os que ganham mais e os que ganham menos em Israel é a segunda mais elevada do mundo industrializado, e a taxa de pobreza infantil só perde para o México entre os países desenvolvidos. Em média, uma em cada três crianças israelitas vive na pobreza, e uma em cada cinco famílias subsiste bem abaixo do limiar da pobreza.

Israel é um dos países de alta renda mais desiguais. Os 50% mais pobres da população ganham em média NIS 57.900, enquanto os 10% mais ricos ganham 19 vezes mais. Assim, os níveis de desigualdade são semelhantes aos dos EUA, com os 50% da população mais pobre ganhando 13% do rendimento nacional total, enquanto a percentagem dos 10% mais ricos fica com 49%.

É claro que a pobreza e a disparidade de desigualdade são muito maiores para os cidadãos árabes de Israel, que representam cerca de 20% da população. Mas as taxas de pobreza também são elevadas nas comunidades judaicas ortodoxas, que representam um décimo da população. Quanto a Gaza e à Cisjordânia, os níveis de pobreza são horríveis.

Em total contraste, a concentração de riqueza em Israel é a segunda mais elevada do mundo ocidental. Os notórios feudos familiares incluem: Arison, Borovich, Danker, Ofer, Bino, Hamburger, Wiessman, Wertheim, Zisapel, Leviev, Federman, Saban, Fishman, Shachar, Kass, Strauss, Shmeltzer e Tshuva. Estas famílias controlam coletivamente um quinto das receitas geradas pelas principais empresas de Israel e estas 500 principais empresas representam 40% do setor empresarial e 59% das receitas nacionais.
Esta última guerra não irá derrubar a economia israelita. O governo é sustentado pelo apoio militar e financeiro dos EUA.


A guerra contínua pode beneficiar os fabricantes de armas e os militares, mas, a longo prazo, reduz a rentabilidade e o investimento nos setores produtivos da economia. E para os trabalhadores, para além da horrível perda de vidas e membros, significa uma camisa-de-força para melhorar a prosperidade e o desenvolvimento humano.

Os governos capitalistas de Israel não têm solução para o conflito interminável com o povo árabe sob a sua ocupação e próximo das suas fronteiras. Agora, com a eclosão de mais uma guerra a um nível grotescamente intensificado de violência e retribuição, as doces palavras do Economist sobre o 75º aniversário de Israel têm um sabor muito amargo – tanto para os palestinos como para os israelitas.

Isso continuará por mais 75 anos?

Fonte(s) / Referência(s):

guest
4 Comentários
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Roberts

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

4
0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x