Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_michael_roberts
Michael Roberts

Acemoglu, Inteligência Artificial e automação

Há uma nova explosão de otimismo tecnológico emergindo sobre a aplicação do ChatGPT e dos LLMs.

Publicado em 31/05/2023
Compartilhe:

Há uma nova explosão de otimismo tecnológico emergindo sobre a aplicação do ChatGPT e dos LLMs. Um analista avalia que a IA “tem um enorme potencial para aumentar a produtividade em toda a economia” e citou um estudo recente do MIT que mostrou uma grande melhoria na produtividade ao usar o ChatGPT. Além disso, muitos dos ganhos de produtividade foram observados entre pessoas de 21 a 40 anos.

O ChatGPT ganhou 100 milhões de usuários mais rápido do que qualquer outro aplicativo na história e essas taxas de adoção rápidas não se limitam a usuários individuais. Grandes corporações, como a Bain & Company, fecharam acordos com a OpenAI para usar IA generativa em seus negócios de consultoria estratégica, enquanto empresas como a Expedia integraram o ChatGPT por meio de plug-ins.

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Então, o ChatGPT etc é uma virada de jogo para o capitalismo? O professor de economia do MIT, Daron Acemoglu, é especialista nos efeitos econômicos e sociais das novas tecnologias, incluindo a crescente inteligência artificial (IA). Ele ganhou a Medalha John Bates Clark, geralmente uma precursora do Prêmio Nobel.

Mas ele não é um tecno-otimista. Sua pesquisa mostra que grandes disrupções tecnológicas – como a Revolução Industrial – podem achatar os salários de toda uma classe trabalhadora. Em uma entrevista recente ao Financial Times, Acemoglu disse que “o capital leva o que quer na ausência de restrições e a tecnologia é uma ferramenta que pode ser usada para o bem ou para o mal”. Referindo-se à tecnologia do século 19 em diante, ele continuou: “Sim, você teve progresso, mas também teve custos enormes e muito duradouros. Cem anos de condições muito mais duras para os trabalhadores, salários reais mais baixos, condições de saúde e de vida muito piores, menos autonomia, maior hierarquia. E a razão pela qual saímos disso não foi uma lei da economia, mas sim uma luta social de base na qual sindicatos, políticas mais progressistas e, em última análise, melhores instituições desempenharam um papel fundamental - e um redirecionamento da mudança tecnológica para longe da automação pura também contribuiu de forma importante.”

Esses comentários ecoam as conclusões sobre o impacto da tecnologia feitas por Friedrich Engels durante o auge da revolução industrial em meados do século XIX. Naquela época, Engels argumentava que a mecanização eliminava empregos, mas também criava empregos em novos setores, veja meu livro sobre a economia de Engels pp 54-57. Marx também identificou isso na década de 1850: Os fatos reais, travestidos pelo otimismo dos economistas, são estes: os operários, expulsos da oficina pela maquinaria, são lançados no mercado de trabalho. Sua presença no mercado de trabalho aumenta o número de forças de trabalho que estão à disposição da exploração capitalista... Assim que a maquinaria libera uma parte dos trabalhadores empregados em um determinado ramo da indústria, os homens de reserva também são desviados para novos canais de emprego e são absorvidos em outros ramos; enquanto isso, as vítimas originais, durante o período de transição, em sua maioria passam fome e perecem”. (Grundrisse). A implicação aqui é que automação significa aumento de empregos precários e aumento da desigualdade por longos períodos.

Acemoglu chega a conclusões semelhantes a Engels e Marx. “Acho que uma das coisas que você deve fazer como economista é manter duas ideias conflitantes em sua mente ao mesmo tempo”, diz ele. “Esse é o fato de que a tecnologia pode criar crescimento sem enriquecer as massas (pelo menos não por muito tempo). O progresso tecnológico é o motor mais importante do florescimento humano, mas o que tendemos a esquecer é que o processo não é automático.” Sob o modo de produção capitalista para o lucro e não para a necessidade social, há uma contradição, então “modelar matematicamente e compreender quantitativamente a luta entre o capital – que mais se beneficia do avanço tecnológico – e o trabalho não é uma tarefa fácil”. De fato.

A extensa pesquisa de Acemoglu sobre desigualdade e automação mostra que mais da metade do aumento da desigualdade nos EUA desde 1980 está pelo menos relacionado à automação, em grande parte decorrente da pressão salarial para empregos que podem ser facilmente executados por um robô. O resultado da automação nos últimos 30 anos foi o aumento da desigualdade de renda. Existem muitos fatores que aumentaram a desigualdade de renda: privatizações, colapso dos sindicatos, desregulamentação e transferência de empregos industriais para o sul global. Mas a automação é importante. Embora a tendência de crescimento do PIB nas principais economias tenha diminuído, a desigualdade aumentou e muitos trabalhadores – particularmente homens sem diploma universitário – viram seus rendimentos reais caírem drasticamente.

Além disso, sob o capitalismo, Acemoglu acrescenta que nem todas as tecnologias de automação realmente aumentam a produtividade do trabalho. Isso porque as empresas introduzem a automação principalmente em áreas que podem aumentar a lucratividade, como marketing, contabilidade ou tecnologia de combustíveis fósseis, mas não aumentam a produtividade da economia como um todo ou atendem às necessidades sociais. “Big Tech tem uma abordagem particular de negócios e tecnologia centrada no uso de algoritmos para substituir humanos. Não é por acaso que empresas como o Google estão empregando menos de um décimo do número de trabalhadores que grandes empresas, como a General Motors, empregavam no passado. Isso é consequência do modelo de negócios da Big Tech, que não se baseia em criar empregos, mas em automatizá-los.”

Acemoglu avalia que a automação moderna, principalmente desde a Grande Recessão e a crise do COVID, é ainda mais prejudicial para o futuro do trabalho. “Simplificando, o portfólio tecnológico da economia americana tornou-se muito menos equilibrado e de uma forma que é altamente prejudicial para os trabalhadores e especialmente para os de baixa escolaridade.” Ele calculou que mais da metade, e talvez até três quartos, do aumento da desigualdade salarial nos EUA está relacionado à automação. “Por exemplo, os efeitos diretos do offshoring representam cerca de 5-7% das mudanças na estrutura salarial, em comparação com 50-70% da automação. As evidências não apoiam as visões mais alarmistas de que os robôs ou a IA criarão um futuro completamente sem empregos, mas devemos nos preocupar com a capacidade da economia dos EUA de criar empregos, especialmente bons empregos com altos salários e oportunidades de construção de carreira para trabalhadores com ensino médio completo ou menos”. Sua análise dos efeitos da automação nos EUA também se aplica ao restante das principais economias capitalistas.

Como Acemoglu explicou certa vez ao Congresso dos EUA: “A tecnologia americana e mundial é moldada pelas decisões de um punhado de empresas de tecnologia muito grandes e muito bem-sucedidas, com mão de obra minúscula e um modelo de negócios baseado na automação”. E enquanto os gastos do governo em pesquisa sobre IA diminuíram, a pesquisa de IA mudou para o que pode aumentar a lucratividade de algumas multinacionais, não as necessidades sociais: “os gastos do governo com pesquisa caíram como uma fração do PIB e sua composição mudou para créditos fiscais e apoio a empresas. As tecnologias transformadoras do século 20, como antibióticos, sensores, motores modernos e a Internet, têm as impressões digitais do governo por toda parte. O governo financiou e comprou essas tecnologias e muitas vezes definiu a agenda de pesquisa. Isso é muito menos verdade hoje.” Esse é o modelo de negócios da IA sob o capitalismo.

Acemoglu duvida da política convencional para lidar com a desigualdade baseada na tecnologia, como a renda básica universal, porque “ela deixa a distribuição de poder subjacente inalterada. Ela eleva as pessoas que estão ganhando e dá migalhas aos outros. Isso torna o sistema mais hierárquico em certo sentido.”

Em vez disso: “Acho que as habilidades de um carpinteiro, jardineiro, eletricista ou escritor são apenas as maiores conquistas da humanidade, e acho que devemos tentar elevar essas habilidades e elevar essas contribuições”, diz ele. “A tecnologia poderia fazer isso, mas isso significa usar a tecnologia não para substituir essas pessoas, não para automatizar essas tarefas, mas para aumentar sua produtividade, dando-lhes melhores ferramentas, melhores informações e melhor organização.”

Mas ele tem uma crença tocante no atual governo dos Estados Unidos. “Biden é o presidente mais pró-trabalhador desde Franklin D Roosevelt.” Acemoglu avalia que “precisamos criar um ambiente no qual os trabalhadores tenham voz” – embora não necessariamente a atual estrutura sindical. Ele olha para o “modelo germânico” no qual os setores público e privado e os trabalhadores “trabalham juntos”, em vez do regime neoliberal dos EUA.
Mas Acemoglu sugere uma alternativa melhor: “Você lê psicologia evolutiva ou conversa com muitas pessoas que dizem que querem ser mais ricas do que você, mais poderosas do que as outras pessoas e assim por diante, e você pensa que é assim. Mas então você fala com antropólogos e eles dizem que, durante grande parte de nossa humanidade, vivemos dessa maneira igualitária de caçadores-coletores - então, o que há com isso? Uma sociedade igualitária em que a automação é usada para atender às necessidades sociais requer meios de produção automatizados cooperativos e de propriedade comum. Em vez de reduzir os empregos e os meios de subsistência dos humanos, a IA sob propriedade e planejamento comuns poderia reduzir as horas de trabalho humano para todos. Isso seria a verdadeira virada de jogo.

Fonte(s) / Referência(s):

guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Roberts
Publicado em 18/03/2024
Publicado em 22/11/2023
Publicado em 07/11/2023
Publicado em 19/10/2023
Publicado em 04/10/2023
Publicado em 06/09/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x