Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_michael_roberts
Michael Roberts

BRICS: cada vez maiores, mas são mais fortes?

. O bloco imperialista liderado pelos EUA ainda é dominante, mas o seu domínio está a ser questionado como nunca antes.

Publicado em 25/08/2023
Compartilhe:

A cúpula de três dias dos líderes do BRICS terminou nesta quinta-feira (24). Os BRICS são Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O líder russo Putin não esteve presente pessoalmente – ele já tem muito o que fazer!

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

Os cinco países BRICS têm agora um PIB combinado superior ao do G7 em termos de paridade de poder de compra (uma medida do que o PIB pode comprar internamente em bens e serviços).

Isto soa como um ponto de viragem na ordem económica mundial. Mas isso seria uma ilusão. Primeiro, dentro dos BRICS, a China (responsável por 17,6 por cento do PIB global) é dominante, seguida pela Índia num distante segundo lugar (7 por cento); enquanto a Rússia (3,1 por cento), o Brasil (2,4 por cento) e a África do Sul (0,6 por cento) representavam, em conjunto, apenas 6,1 por cento do PIB mundial. Portanto, este não é um poder econômico partilhado igualmente.

Além disso, em termos nominais de dólares, que na minha opinião é o que importa, os países BRICS ainda estão bem atrás do G7. Combinados, o bloco BRICS teve um PIB de 26 trilhões de dólares em 2022, o que é quase o mesmo que o dos EUA sozinhos. E quando medimos o PIB per capita, os BRICS não estão em lado nenhum. Mesmo utilizando dólares internacionais ajustados pela PPC, o PIB per capita dos Estados Unidos ascende a 80.035 dólares, mais de três vezes o da China, que equivale a 23.382 dólares.

A partir desta cúpula, mais países foram convidados a aderir como membros de pleno direito: Argentina, Egito, Etiópia, Irã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Mas mesmo que isso aconteça, o grupo BRICS continuará a ser uma força econômica muito menor e mais fraca do que o bloco imperialista G7. Além disso, os BRICS são muito diversos em termos de população, PIB per capita, geografia e composição comercial. E as elites dominantes nestes países estão frequentemente em desacordo (China vs Índia; Brasil vs Rússia).

Assim, ao contrário do G7, que tem objetivos econômicos cada vez mais homogêneos sob o controlo hegemônico dos EUA, o grupo BRICS é díspar em riqueza e rendimento e sem quaisquer objetivos econômicos unificados – exceto talvez para tentar afastar-se do domínio econômico dos EUA e, em particular, o dólar estadunidense.

E mesmo esse objetivo será difícil de alcançar. Como referi em publicações anteriores, embora tenha havido um declínio relativo no domínio econômico dos EUA a nível mundial e no dólar, este último continua a ser, de longe, a moeda mais importante para o comércio, o investimento e as reservas nacionais.

Aproximadamente metade de todo o comércio mundial é faturado em dólares e esta percentagem praticamente não mudou. O USD esteve envolvido em quase 90% das transações cambiais globais, tornando-o a moeda mais negociada no mercado cambial. Aproximadamente metade de todos os empréstimos transfronteiriços, títulos de dívida internacionais e faturas comerciais são denominados em dólares estadunidense, enquanto cerca de 40 por cento das mensagens SWIFT e 60 por cento das reservas cambiais globais são em dólares. O yuan chinês continua a obter ganhos graduais e a participação do renminbi no volume de negócios cambial global aumentou de menos de 1% há 20 anos para mais de 7% agora. Mas a moeda chinesa ainda representa apenas 3% das reservas cambiais globais, acima dos 1% em 2017.

E acontece mesmo que a China “anti-EUA” continua fortemente comprometida nas suas reservas cambiais em relação ao dólar. A China informou publicamente que reduziu a parcela em dólares das suas reservas de 79% para 58% entre 2005 e 2014. Mas a China não parece ter alterado a parcela em dólares das suas reservas nos últimos dez anos.

Além disso, as instituições multilaterais que poderiam ser uma alternativa ao FMI e ao Banco Mundial existentes (controlados pelas economias imperialistas) ainda são pequenas e fracas. Por exemplo, existe o Novo Banco de Desenvolvimento criado em 2015. O NDB nomeou agora a ex-presidente de esquerda do Brasil, Dilma Roussef, como chefe, com sede em Xangai.

Há muito barulho de que o NBD pode fornecer um polo oposto de crédito às instituições imperialistas do FMI e do Banco Mundial. Mas há um longo caminho a percorrer para fazer isso. Um ex-funcionário do Banco Central da África do Sul (SARB) comentou: “a ideia de que as iniciativas do Brics, das quais a mais proeminente até agora tem sido o NDB, irão suplantar as instituições financeiras multilaterais dominadas pelo Ocidente é uma quimera”.

Mesmo assim, a rivalidade internacional, política, econômica e militar, irá intensificar-se nesta década. Os dias de dominação completa pelo bloco imperialista sob os EUA acabaram – porque a globalização, isto é, os fluxos comerciais e financeiros desimpedidos das últimas duas décadas do século XX, acabou.

À medida que a rentabilidade do capital caiu nas principais economias nas primeiras duas décadas deste século, a luta pela mais-valia por parte das principais economias capitalistas intensificou-se. E isto está a conduzir a uma fragmentação do poder econômico. O bloco imperialista liderado pelos EUA ainda é dominante, mas o seu domínio está a ser questionado como nunca antes.

Fonte(s) / Referência(s):

guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Roberts

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x