Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_michael_roberts
Michael Roberts

Eleições de meio de mandato nos EUA: é a economia, estúpido!

Todos os assentos na Câmara dos Deputados estão em disputa, enquanto uma parte da Câmara Alta, o Senado, está sendo eleita. Atualmente, os de

Publicado em 08/11/2022
Compartilhe:

Todos os assentos na Câmara dos Deputados estão em disputa, enquanto uma parte da Câmara Alta, o Senado, está sendo eleita. Atualmente, os democratas detêm uma maioria de apenas oito na Câmara dos Deputados e têm maioria no Senado apenas por meio do voto do presidente, que é a vice-presidente democrata.

As pesquisas de opinião atuais sugerem que os republicanos ganharão o controle da câmara baixa com uma maioria de 20 a 30 assentos, enquanto o Senado está muito mais próximo. Se esse resultado estiver certo, isso significará que o governo democrata Biden será praticamente impedido de executar qualquer uma de suas medidas propostas nos próximos dois anos até a próxima eleição presidencial em novembro de 2024.

Talvez não faça diferença quem estará dando as cartas nos próximos dois anos, já que nem os democratas nem os republicanos têm políticas úteis para melhorar a sorte da maioria dos americanos, principalmente quando se trata de custo de vida, melhores empregos, mais investimento em serviços públicos e infraestrutura.

E que não haja dúvidas de que é a economia (estúpido!) que importa para a maioria daqueles que provavelmente votarão. De acordo com as pesquisas, a economia e a inflação são vistas como a principal questão por 51% dos prováveis eleitores, muito acima da tortuosa questão do aborto (15%), onde o direito de escolha das mulheres foi emasculado por um Tribunal Supremo de direita e vários estados republicanos. E a chamada conspiração sobre a manipulação de votos que a direita trumpista considera ser a questão-chave é importante apenas para apenas 9% dos eleitores; seguido pela política de armas 7% e imigração 7%. A mudança climática, a questão para o futuro de todo o planeta, é mais importante para apenas 4% dos eleitores.

E podemos ver por que a economia e os padrões de vida são uma questão tão dominante. A economia é quase sempre a questão principal, mas com a inflação subindo para mais de 8% ao ano e as taxas de hipoteca correndo atrás da inflação, a renda média real (como em todas as principais economias) vem despencando.

Os padrões de vida do americano médio estão estáveis há quase três anos.

O chamado “índice de miséria” é frequentemente usado como um indicador do bem-estar das famílias. É uma simples adição da taxa de desemprego oficial e da taxa de inflação dos preços ao consumidor. O índice de miséria é o mais alto desde a Grande Recessão e, antes disso, desde a crise do custo de vida dos anos 1970 e início dos anos 1980. Curiosamente, muitas vezes (mas nem sempre) o atual governo perde as eleições de meio de mandato quando o índice de miséria é alto ou subindo rapidamente (1958, 1974, 1982, 2010). Mesmo que a taxa de desemprego oficial esteja próxima dos mínimos históricos, o aumento da renda obtida com esses empregos nem de longe cobre a disparada da inflação em alimentos, combustível e aluguéis.

A perspectiva para a economia dos EUA nos próximos dois anos até a eleição presidencial de 2024 parece cada vez mais ser uma nova queda ou contração na produção nacional em 2023 e uma queda adicional nos padrões de vida da maioria dos americanos.

Claro, esse declínio nos padrões de vida só se aplica à maioria dos americanos. O 1% mais rico está indo muito bem, obrigado.

De fato, a desigualdade de renda e riqueza nunca foi tão extrema na história moderna dos EUA. O 1% dos detentores de riqueza americanos agora fica com 31,8% de toda a riqueza das famílias em comparação com 23,5% em 1989, enquanto os 50% de menor detenção de riqueza têm apenas 2,8% - abaixo dos 3,7% em 1989. De acordo com o Federal Reserve, a desigualdade da riqueza das famílias nos EUA nunca foi tão alta durante e desde a queda do COVID.

É verdade que o PIB real dos EUA aumentou a uma taxa anual de 2,6% no terceiro trimestre de 2022, acima de um declínio de 0,5% no segundo trimestre - então oficialmente não há "recessão técnica", ou seja, dois trimestres consecutivos de contração - ainda. Mas o crescimento ano a ano (comparado ao terceiro trimestre de 2021) foi de apenas 1,8%, o mesmo do segundo trimestre. E excluindo estoques e governo, as vendas para consumidores domésticos aumentaram apenas 0,1% no trimestre e desaceleraram para 1,3% ano a ano. Mais significativo, olhando para o futuro, o indicador de atividade de negócios do PMI ficou em 47,3, o que indica o segundo ritmo mais rápido de contração desde a Grande Recessão de 2009.

O índice do US Conference Board dos 10 principais indicadores dos EUA teve uma taxa de sucesso de 100% em antecipar todas as recessões nos últimos 40 anos. E os indicadores estão agora à beira de prever uma nova queda.

A recuperação econômica dos EUA desde o ano de recessão pandêmica de 2020 ainda não voltou ao crescimento da tendência pré-pandemia e foi fraco o suficiente em comparação com a pré-Grande Recessão. E no próximo ano a economia dos EUA crescerá ainda mais lentamente (na melhor das hipóteses) ou provavelmente entrará em recessão.

E a economia dos EUA deve ter o melhor desempenho das principais economias; com a zona do euro já em recessão, o Japão patinando (como sempre) e o Reino Unido caminhando para uma profunda queda de dois anos, de acordo com o Banco da Inglaterra. No esforço para reduzir a inflação, o Federal Reserve continua a aumentar sua taxa de juros, forçando o custo de empréstimos tanto para famílias quanto para empresas. E isso ocorre em um momento em que a dívida das empresas, por qualquer medida, é a mais alta historicamente.

Não é de admirar que os democratas em exercício enfrentem a derrota no meio do mandato, apesar da loucura dos republicanos trumpistas. Mas os republicanos também não têm resposta para a relativa ruína de longo prazo da economia capitalista dos EUA.

O crescimento econômico depende de dois fatores: mais emprego e mais produção por trabalhador. E agora é o último que importa. Mas a produtividade do trabalho está caindo nos EUA. No terceiro trimestre de 2022, houve uma queda de -1,4% ano a ano, fazendo três trimestres consecutivos de declínio anual, o primeiro caso desde a profunda queda de 1982. Portanto, embora os salários estejam subindo apenas pouco mais de 3% em comparação com a inflação dos EUA de 8%, a queda da produtividade está espremendo os lucros das empresas, já que os custos trabalhistas por unidade de produção aumentaram mais de 6% ano a ano.

A queda da produtividade é um fator importante na inflação porque a produção não está respondendo suficientemente à demanda dos consumidores e das empresas. A queda da produtividade só poderia ser revertida por um aumento acentuado do investimento produtivo em novas tecnologias e no treinamento de habilidades humanas. Mas o investimento empresarial dos EUA está em desaceleração há muito tempo.

O investimento do governo, mesmo após o limitado programa de infraestrutura de Biden, está longe de ser suficiente para compensar a desaceleração do investimento no setor capitalista.

As empresas não investem de forma produtiva a menos que a lucratividade de tal investimento seja alta e/ou crescente. E isso não aconteceu no século 21. Mesmo as grandes empresas de mídia que lideraram a bonança dos lucros desde o COVID agora estão vendo quedas nos lucros. Para a maioria das empresas americanas, a lucratividade do investimento de capital vem caindo.

A única maneira de restaurar um aumento sustentado da lucratividade é através do que Marx chamou de destruição dos valores do capital, ou seja, uma grande queda que elimina as seções mais fracas do setor corporativo e recria um “exército de reserva de trabalho”, com o desemprego aumentando em dois dígitos. A política do Fed de aumentar o custo dos empréstimos pode dobrar a atual taxa de desemprego nos próximos dois anos, mas mesmo isso pode não ser suficiente para criar novas condições para investimentos lucrativos. Portanto, é provável que a economia dos EUA cambaleie para as eleições presidenciais de 2024 com a perspectiva de retorno do Donald.


Original: https://thenextrecession.wordpress.com/2022/11/08/us-mid-term-elections-its-the-economy-stupid/

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.
Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Michael Roberts
Publicado em 18/03/2024
Publicado em 22/11/2023
Publicado em 07/11/2023
Publicado em 19/10/2023
Publicado em 04/10/2023

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se no AEPET Direto para receber os principais conteúdos publicados em nosso site.

Ao clicar em “Cadastrar” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x