Siga a AEPET
logotipo_aepet
aepet_autores_gail_tverberg
Gail Tverberg

O FED não pode resolver o problema atual da inflação de energia

Há uma razão para aumentar as taxas de juros para tentar combater a inflação.

Publicado em 17/04/2023
Compartilhe:

Essa abordagem tende a pressionar os atores mais marginais da economia. Tais empresas e governos tendem a entrar em colapso, à medida que as taxas de juros sobem, deixando menos “demanda” por petróleo e outros produtos energéticos. As instituições que são comprimidas variam de pequenas empresas a instituições financeiras e organizações governamentais. A menor demanda tende a reduzir a pressão inflacionária.

A quantidade de bens e serviços que a economia mundial pode produzir é em grande parte determinada pelos suprimentos de combustíveis fósseis, além de nossa capacidade de usar a "complexidade" de várias formas para produzir os itens que a crescente população mundial exige. Adicionar dívida ajuda a adicionar complexidade de vários tipos, como mais comércio internacional, educação mais avançada e ferramentas mais especializadas. Por um tempo, a combinação de suprimentos crescentes de energia e complexidade crescente ajudou a impulsionar as economias.

Infelizmente, a oferta mundial de petróleo não está mais crescendo. Sem um suprimento adequado de petróleo, torna-se difícil manter a complexidade porque soluções complexas, como o comércio internacional, exigem suprimentos adequados de petróleo. Por mais que pareçamos estar alcançando os limites de energia e complexidade, nada que os reguladores tentem fazer para mudar a dívida e os suprimentos de dinheiro – nem mesmo recuperá-los – pode resolver o problema subjacente do petróleo (e da energia total).

Acho que as partes ricas do mundo, incluindo Estados Unidos, Europa e Japão, estejam prestes a ser afetadas adversamente pelas altas taxas de juros desta vez. Com seus altos níveis de complexidade, eles estão entre os mais vulneráveis a interrupções quando não há petróleo suficiente para circular.

Figura 1. Consumo mundial de petróleo dividido em áreas consumidoras, com base nos dados da Revisão Estatística de Energia Mundial de 2022 da BP. A Europa exclui Estônia, Letônia, Lituânia e Ucrânia.

O problema que vejo é que os países ricos esperam manter economias de serviços que são alimentadas por enormes fluxos de bens manufaturados e matérias-primas dos países mais pobres. Esse padrão me parece insustentável, em um mundo com exportações em queda devido a problemas de energia.

Espero uma mudança significativa no comércio de bens e serviços, já a partir dos próximos meses. Grandes mudanças financeiras também podem ocorrer em breve. Neste post, tentarei explicar essas e outras ideias relacionadas.

[1] A dívida crescente é um substituto temporário para o fornecimento crescente de energia dos tipos certos.

Os economistas parecem acreditar que a economia cresce por causa de uma mão invisível. Acredito que a economia cresce por causa de uma oferta crescente de produtos energéticos dos tipos certos, juntamente com uma oferta crescente de outras matérias-primas e uma oferta crescente de trabalho humano. A economia cresce de acordo com as leis da física.

A dívida ajuda a fornecer uma atração extra, no entanto, porque permite o crescimento da “complexidade”. Mesmo na época dos caçadores e coletores, era útil que as pessoas trabalhassem juntas e compartilhassem os benefícios de seu trabalho. Um tipo de dívida de curto prazo resulta do benefício adiado de trabalhar em conjunto, mesmo que o atraso seja de apenas algumas horas.

Nos tempos modernos, a dívida pode ajudar a construir uma fábrica. A fábrica pode fornecer mais/melhor produção do que pessoas trabalhando sozinhas usando os recursos disponíveis. Deve haver uma maneira de pagar pelo benefício atrasado do trabalho humano envolvido em toda a cadeia de eventos que leva à produção final. A dívida crescente pode ajudar a pagar os trabalhadores, muito antes de o benefício da fábrica estar disponível.
A dívida também pode tornar os produtos de alto preço mais acessíveis. Um carro, uma casa ou uma faculdade são mais acessíveis se puderem ser pagos em prestações, conforme a renda disponível para pagar por isso.

[2] Retornos decrescentes em complexidade adicional é um problema que põe fim à capacidade de aumentar a dívida.

Por exemplo, estamos lentamente descobrindo que não faz sentido oferecer a todos uma educação universitária. Sim, a educação avançada é benéfica para uma porcentagem da população, mas, em geral, não há empregos suficientes que paguem suficientemente bem para que faça sentido econômico fornecer educação avançada para todos que gostariam de frequentar a faculdade. Se a dívida for fornecida para financiar todos os que se candidatam à educação avançada, provavelmente haverá muitos empréstimos que não poderão ser pagos.

Como outro exemplo, longas linhas de abastecimento podem proporcionar economia de custos para um fabricante, mas se houver uma interrupção em qualquer matéria-prima necessária, toda a operação de fabricação pode precisar ser suspensa temporariamente. O alto custo de tal suspensão pode encorajar linhas de abastecimento mais curtas ou a manutenção de mais estoque armazenado.

[3] A dívida total dos EUA como uma porcentagem do PIB já parece estar atingindo um limite, possivelmente relacionado a retornos decrescentes da complexidade adicionada.

Figura 2. Proporção da dívida total dos EUA para todos os setores em relação ao PIB em um gráfico do Federal Reserve de St. Louis. Os valores são trimestrais, até 2022.

A Figura 2 mostra que a proporção da dívida em relação ao PIB dos EUA começou a aumentar logo após 1980. Foi mais ou menos na época em que Ronald Reagan se tornou presidente dos Estados Unidos e Margaret Thatcher se tornou primeira-ministra no Reino Unido. Havia a necessidade de reduzir os custos de energia, e o endividamento crescente foi uma das ferramentas utilizadas para isso. Com o aumento da dívida, novos tipos de geração de eletricidade, esperançosamente menos caros, poderiam ser adicionados, usando dívida. Os produtores de eletricidade foram encorajados a competir entre si. A nova abordagem levou a uma menor preocupação com a manutenção adequada das linhas de transmissão. A Califórnia é um estado em que essa abordagem está começando a alcançar o sistema elétrico. Os custos estão aumentando e a confiabilidade está caindo.

A Figura 2 mostra que a proporção da dívida dos EUA em relação ao PIB atingiu um máximo em 2008. Um nível ainda mais alto foi alcançado em 2020 por causa da dívida adicionada no momento das paralisações relacionadas à Covid. Agora, porém, o sistema parece não conseguir manter o alto nível de endividamento. A análise trimestral usada na Figura 2 destaca a rapidez com que a dívida adicionada foi eliminada.

A análise da relação dívida/PIB dos EUA por setor fornece algumas informações sobre o motivo da queda na relação dívida/PIB desde 2008 na Figura 2. (Os valores usados na Figura 3 são anuais, e não trimestrais, portanto, a forma do gráfico é um pouco diferente da Figura 2.)

Figura 3. Dados anuais mostrando a proporção da dívida dos EUA em relação ao PIB por setor. Os valores para dívidas de famílias (que incluem organizações sem fins lucrativos, como igrejas), negócios não financeiros e governo federal são do banco de dados do Federal Reserve de St. Louis.Financial+ é calculado por subtração. O Financial+ também incluirá outras pequenas categorias, como a dívida dos governos estaduais e locais.

A Figura 3 mostra que a categoria que chamo de Dívida Financeira+ desempenhou um papel incrivelmente grande no crescimento da dívida total. Uma das questões que levaram à Grande Recessão de 2008-2009 foram as inadimplências relacionadas a Collateralized Debt Obligations (CDOs) e Collateralized Debt Swaps (CDSs), envolvendo dívidas que foram cortadas em camadas e revendidas. Várias parcelas dessa dívida seriam então inadimplentes, à medida que a economia desacelerasse. Ficou claro que essa abordagem para adicionar dívidas é muito arriscada. A eliminação de parte desse tipo de dívida é provavelmente uma das razões para a queda da dívida do Financial+ após 2008.

Também fica claro que existem interações entre os diferentes tipos de dívida. Em 1947, a Dívida Federal relacionada à Segunda Guerra Mundial começou a cair. Para fornecer empregos civis para todas as pessoas que serviram no esforço de guerra, foi útil adicionar outras dívidas. Mais recentemente, o grande aumento da dívida do Governo Federal parece ter ocorrido em parte para tentar compensar a enorme perda de dívida na categoria Financial+.

A Figura 4 mostra a dívida bruta do Governo Federal, em relação ao PIB, na base anual.

Figura 4. Dívida Federal Bruta como Percentagem do PIB, numa base anual, num gráfico preparado pela Reserva Federal de St. Louis. Os valores são até 2022.

A dívida bruta do Governo Federal está agora em um nível mais alto do que quando o Governo Federal tomou dinheiro emprestado para combater a Segunda Guerra Mundial! Parte do aumento pode muito bem ser a necessidade de manter alto o endividamento total, para sustentar o sistema econômico em geral e os preços da energia em particular.

[4] Em postagens anteriores, mostrei que os preços do petróleo parecem ser muito sensíveis às manipulações do Federal Reserve.

Na Figura 5, abaixo, também enfatizo que o estouro de uma bolha de dívida pode fazer com que os preços do petróleo caiam vertiginosamente. Com o alto nível de endividamento que a economia mundial tem hoje, grandes inadimplências são uma preocupação. Por causa dessa preocupação, os bancos centrais hoje parecem dispostos a se curvar para apoiar os bancos em dificuldades. Se um número substancial de bancos for apoiado, isso aumentará a pressão inflacionária.

Figura 5. Figura preparada no início de 2021, com base nos preços mensais do petróleo bruto Brent da EIA, juntamente com notas adicionadas na época.

Outro ponto que a Figura 5 destaca é a importância dos altos preços do petróleo para os produtores e a importância dos baixos preços do petróleo para os clientes. Grande parte do conflito atual com relação ao abastecimento de petróleo tem a ver com a acessibilidade do abastecimento de petróleo e o fato de que tais preços acessíveis para os consumidores tendem a ser muito baixos para os produtores. Por exemplo, a União Europeia tentou pagar à Rússia pelo petróleo a US$ 60 por barril, em parte para prejudicar a Rússia, mas também para tentar reduzir os custos a um nível mais acessível. Os produtores de petróleo tendem a reduzir a oferta, como a Opep recentemente concordou em fazer, quando os preços caem muito.

[5] Uma coisa que as pessoas esquecem ao tentar encontrar substitutos para o petróleo é que qualquer substituto deve ser barato para ser acessível.

Eles também esquecem que precisam considerar o custo das mudanças necessárias em todo o sistema em qualquer estimativa de custo.

Muitas vezes vemos estimativas de custo para energia eólica e energia solar que consideram apenas o custo da geração de eletricidade intermitente. Infelizmente, uma economia não pode operar com eletricidade intermitente. Neste momento, não existe uma única ilha que possa operar seu sistema elétrico exclusivamente com fontes renováveis (incluindo energia hidrelétrica, além de eólica e solar).

Em teoria, um sistema de eletricidade de custo muito alto poderia ser montado usando alguma combinação de linhas de transmissão de longa distância, baterias e superdimensionadas construções, para tentar ter eletricidade suficiente disponível para longos períodos de baixa geração de eletricidade. Mas mesmo isso não resolveria o problema que surge porque o sistema agrícola mundial é movido principalmente por petróleo, não eletricidade. Não podemos passar sem comida.

Se a eletricidade fosse usada para o sistema agrícola, no mínimo, precisaríamos descobrir como fazer a transição de todas as máquinas usadas nos campos para usar eletricidade, em vez de óleo. Também precisaríamos descobrir o que fazer com os produtos fabricados com os produtos químicos que obtemos do petróleo, como herbicidas e pesticidas. Gás natural ou carvão são frequentemente usados para produzir fertilizante de amônia. Se todos os combustíveis fósseis fossem eliminados, também seria necessária uma nova abordagem para a produção de amônia.

[6] O gás natural não pode ser considerado um combustível barato para uma transição para energias renováveis.

Algumas pessoas esperam que um aumento na produção de gás natural possa ser usado para ajudar a substituir o petróleo e, assim, ajudar em qualquer transição. Um problema que muitas pessoas não estão cientes é o fato de que transportar gás natural por longas distâncias como gás natural liquefeito (GNL) é muito caro. Um cálculo que vi há alguns anos indicava que, quando o GNL era enviado dos Estados Unidos para a Europa, a adição dos custos de envio quase triplicava o custo do gás natural.

Parte do problema de alto custo é a necessidade de uma enorme quantidade de infraestrutura. O gás natural vendido como GNL deve ser comprimido, transportado a temperaturas muito baixas em navios especialmente fabricados e depois trazido de volta ao estado gasoso na outra ponta. Dutos são necessários em ambas as extremidades. Existe também a necessidade de armazenamento inter-sazonal de gás natural porque o gás natural é frequentemente usado para aquecimento no inverno.

Com essa enorme quantidade de infraestrutura, há necessidade de dívidas para financiar todas as peças. Quando as taxas de juros aumentam, o resultado é particularmente caro para quem planeja produzir GNL para embarque no exterior. Esses altos custos indiretos provavelmente desencorajam a construção de novas instalações de exportação de GNL, a menos que contratos de longo prazo a preços altos possam ser obtidos antecipadamente.

[7] Grande parte da dívida atual está relacionada a planos de transição para energias renováveis. Se esses planos não funcionarem, muitas inadimplências são certas.

Quase certamente, grandes quantidades de obrigações de dívida estão destinadas ao default se a transição para energia renovável não for bem-sucedida. A própria existência de tais responsabilidades pode levar a problemas generalizados. Parte dessa dívida será mantida pelos bancos; outras dívidas foram emitidas como títulos ou instrumentos financeiros derivativos. Os fundos de pensão seriam seriamente afetados pela inadimplência dos títulos. Os instrumentos financeiros derivados são provavelmente de muitos tipos. Alguns parecem apoiar fundos negociados em bolsa (ETFs).

Os jovens que gastaram milhares de dólares para buscar diplomas especializados em áreas direta ou indiretamente relacionadas à energia renovável descobrirão que seu investimento foi desperdiçado. Eles não poderão pagar seus empréstimos estudantis, uma grande parte dos quais é devida ao governo federal dos EUA.

[8] Na verdade, os empréstimos estudantis em geral são propícios a problema para o reembolso.

O problema do endividamento estudantil vai além dos alunos que obtiveram seu planejamento de formação para entrar no campo das energias renováveis. De fato, muitos ex-alunos em áreas que não são energia renovável já estão descobrindo que não podem pagar seus empréstimos estudantis porque não há empregos suficientes disponíveis que paguem remuneração suficientemente alta. Além disso, alguns indivíduos que contraíram os empréstimos não conseguiram concluir seus cursos de estudo, portanto, não adquiriram as habilidades necessárias para garantir empregos com salários mais altos. Esses indivíduos, em particular, têm problemas com o reembolso.

Figura 6. Comparação do valor dos financiamentos estudantis devidos ao Governo Federal, com o valor dos financiamentos de veículos automotores, próprios e securitizados, por instituições financeiras. Gráfico do Federal Reserve de St. Louis.

A Figura 6 mostra que, no total, o valor das dívidas de empréstimos estudantis com o Governo Federal é aproximadamente igual à dívida pendente de empréstimos para veículos automotores. Desde que a Covid começou, houve tolerância no pagamento da dívida, mas isso provavelmente terminará no final de 2023. Parece haver uma chance significativa de inadimplência começar quando essa tolerância terminar.

Nota-se que há mais empréstimos estudantis em aberto do que o mostrado na Figura 6. Além dos empréstimos do Governo Federal, há também empréstimos bancários, com um total menor.

[9] A queda das taxas de juros desde 1980 parece ter desempenhado um papel importante em permitir que a economia dos EUA permanecesse na trilha de crescimento em que esteve.

Até cerca de 1979, a economia dos Estados Unidos cresceu tão rapidamente quanto o consumo de petróleo e, de fato, como o crescimento do consumo total de energia. Desde 1979, a economia dos Estados Unidos parece ter crescido um pouco mais rapidamente do que o consumo de petróleo ou de energia de todos os tipos combinados.

Figura 7. Crescimento médio de três anos no PIB real (ajustado pela inflação), com base nos dados do BEA dos EUA, em comparação com o crescimento médio de três anos no consumo de petróleo e no consumo total de energia, com base nos dados da EIA dos EUA.

A coisa estranha que aconteceu por volta de 1979-1981 foi um pico nas taxas de juros dos títulos do Tesouro dos EUA. Como explicarei, foram essas taxas de juros em queda que indiretamente permitiram que o PIB ajustado pela inflação crescesse mais rápido do que o petróleo ou o consumo total de energia.

Figura 8. Taxas de juros de dez anos e três meses dos títulos do Tesouro dos EUA até 27 de março de 2023, em um gráfico do Federal Reserve de St. Louis.

A Figura 7 mostra que durante o período de 1952 a 1979, tanto o consumo de petróleo quanto o de energia total cresceram (com curtas interrupções) rapidamente. O óleo extra e outras energias poderiam ser usadas para alavancar o trabalho humano. Assim, pode-se esperar que a produtividade cresça. De fato, o Fed optou por aumentar as taxas de juros para desacelerar a economia durante esse período, com base na Figura 8.

Espera-se que taxas de juros mais altas sobre a dívida façam pagamentos mensais para a compra de uma casa ou carro mais caro. Eles também tenderiam a manter baixos os preços dos ativos, como casas ou ações, desencorajando os especuladores de tentar ganhar dinheiro investindo em casas ou ações.

Na maior parte do tempo desde 1980, as taxas de juros tendem a cair. Espera-se que a queda das taxas de juros tenha o efeito oposto: elas reduzem os pagamentos mensais de itens comprados a crédito. Por tornarem casas e fábricas mais acessíveis, tendem a aumentar o valor dos ativos. Além disso, a existência de mais dívidas incentiva mais complexidade, como nos casos em que uma grande empresa compra uma menor, usando dívidas. Além disso, à medida que os preços dos ativos sobem (por exemplo, o aumento do preço de uma casa), deixando mais patrimônio líquido, há a tentação de tomar empréstimos contra o patrimônio recém-disponibilizado para comprar outra coisa (por exemplo, móveis domésticos ou um barco). Assim, taxas de juros em queda tendem a puxar a economia para frente.

Acredito que os impactos indiretos da queda das taxas de juros estão por trás do enorme crescimento da dívida, especialmente na categoria Financeira+, visto na Figura 3. Essa dívida provavelmente atingirá problemas de inadimplência ainda piores do que os ocorridos na era de 2008, se as taxas de juros permanecerem altas, ou subir para níveis ainda mais altos.

Além disso, sem o apoio da dívida crescente, é provável que o crescimento do PIB volte a ser igual ao crescimento da oferta de energia ou petróleo. Se começar a ocorrer uma perda de complexidade, o crescimento do PIB pode até começar a ser menor do que o crescimento da oferta de energia ou petróleo. É claro que, se ocorrer uma redução no consumo de energia, pode-se esperar que as economias se contraiam.

[10] As nações mais pobres poderão consumir muito mais petróleo para si mesmas se conseguirem reduzir o consumo em áreas que usam petróleo pesadamente, como os EUA, a Europa e o Japão.

Figura 9. Consumo de petróleo per capita para as áreas mostradas, com base nos dados da Revisão Estatística de Energia Mundial de 2022 da BP. A Europa exclui Estônia, Letônia, Lituânia e Ucrânia.

Com seu alto consumo de petróleo per capita, o consumo combinado de petróleo da Europa, Japão e Estados Unidos totalizou quase 38% do consumo total de petróleo em 2021. Isso pode ser visto na Figura 1. Se esse consumo pudesse ser reduzido a zero, o resto do mundo poderia consumir cerca de 60% a mais do que consumiria de outra forma.

Claro, os EUA atualmente produzem a maior parte de seu próprio petróleo, então seu petróleo não pode ser obtido a menos que a economia dos EUA entre em colapso a tal ponto que não possa acessar o petróleo que agora extrai e refina. Conforme indicado na introdução deste post, os EUA são muito dependentes de produtos importados. Até mesmo bens usados na extração de petróleo, como tubos de aço para perfurar poços e computadores, são importados. Além disso, quer ocorram ou não problemas com bens importados, problemas financeiros parecem prováveis no futuro próximo, causados por dívidas em colapso ou pela emissão excessiva de novas dívidas do governo para tentar compensar o problema da dívida em colapso. Tais problemas financeiros provavelmente dificultarão as importações de bens estrangeiros necessários. Problemas como esses podem ser uma forma de os EUA perderem o acesso ao seu próprio petróleo.

Uma perda em uma guerra “quente” também pode reduzir a capacidade dos EUA de acessar seu próprio petróleo. Os países pobres provavelmente cobiçam os recursos petrolíferos dos EUA. Na minha opinião, quanto mais petróleo os EUA deixarem no solo relacionado a preocupações climáticas, mais vulnerável os EUA se tornarão às tentativas de outros países de acessar seus recursos. Para a maior parte do mundo, o abastecimento adequado de alimentos tem prioridade sobre as preocupações climáticas.

Se a oferta mundial total de petróleo está encolhendo, como parece provável com a redução da produção da OPEP, os países mais pobres do mundo estão agora preocupados em encontrar soluções alternativas para esse déficit esperado na oferta de petróleo. Uma solução alternativa seria os países exportadores de petróleo reduzirem suas exportações para países que não são seus aliados próximos. Outra abordagem seria que as nações mais pobres do mundo reduzissem a quantidade de petróleo agora usada para o transporte internacional cortando as exportações de todos os tipos de mercadorias para os países mais ricos.

Mudanças no sistema financeiro internacional podem estar muito próximas. Já existem histórias sobre uma maior cooperação entre os países do Oriente Médio e a China. Também há histórias sobre o afastamento do dólar americano para o comércio.

11] Eu escrevi no passado sobre a economia mundial auto-organizada sendo construída em camadas e sendo oca por dentro. Podemos imaginar a perda da Europa, e talvez dos Estados Unidos e do Japão, como uma avalanche, removendo algumas partes insustentáveis do sistema.

Nossa economia é um sistema auto-organizado baseado na física que parece poder continuar crescendo para sempre.

Figura 12. Figura de Gail Tverberg demonstrando como a economia mundial cresce.

À medida que a economia cresce, novos negócios são adicionados. Podemos imaginá-los como novas camadas, adicionadas aos negócios existentes. A crescente base de consumidores (e trabalhadores) ajuda a impulsionar esse crescimento. Ao mesmo tempo, produtos e negócios desnecessários tendem a desaparecer, tornando o centro da estrutura oco. Por exemplo, a economia mundial não produz mais muitos chicotes de charrete, já que cavalos e charretes não são mais o principal meio de transporte.

Construídas nesse sistema estão estruturas financeiras e regulatórias, operadas por bancos e governos. Quando a taxa de crescimento da oferta de energia é restrita, o sistema passa a enfrentar mais inadimplências e crises bancárias. Acho que é aqui que estamos hoje.

De certa forma, a economia com todas as suas dívidas é como um Esquema Ponzi. Depende de uma oferta crescente de energia e outros recursos para continuar pagando sua dívida com juros. Quanto maior a taxa de juros, mais difícil é manter todo o arranjo funcionando.

Algo terá que “ceder”, à medida que o crescimento da oferta de petróleo começa a encolher. Em teoria, o que se perde pode ser a operação de toda a economia mundial, mas o sistema parece se manter coeso, na medida do possível, se houver suprimento adequado de energia, mesmo que para parte da economia global. É por isso que acho que o resultado de curto prazo pode ser mais uma avalanche do que um colapso total.

Não sabemos exatamente o que vem pela frente, mas a situação parece preocupante.

Original: https://ourfiniteworld.com/2023/04/05/the-fed-cannot-fix-todays-energy-inflation-problem/

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários

Gostou do conteúdo?

Clique aqui para receber matérias e artigos da AEPET em primeira mão pelo Telegram.

Mais artigos de Gail Tverberg

Receba os destaques do dia por e-mail

Cadastre-se para receber os principais conteúdos publicados pelo Jornalismo da AEPET.

Ao clicar em ”Quero receber” você aceita receber nossos e-mails e concorda com a nossa política de privacidade.

0
Gostaríamos de saber a sua opinião... Comente!x